Autos Carros Citroën C3 elétrico já está pronto pode vir ao Brasil

Citroën C3 elétrico já está pronto pode vir ao Brasil

Modelo tem motor de 57 cv e autonomia que supera 300 km

Resumindo a Notícia
  • Citroën eC3 traz bateria produzida pela chinesa SVolt 29,2 kWh

  • Em uma tomada de alta potência é possível ter 80% da carga feita em 57 minutos

  • De acordo com a fabricante, o modelo pode fazer de zero a 60 km/h em apenas 6,8 segundos

  • Novidade pode atingir a velocidade máxima de 107 km/h

Citroën eC3 adota o mesmo visual da versão a combustão

Citroën eC3 adota o mesmo visual da versão a combustão

Citroën/Divulgação

O Citroën eC3 foi apresentado oficialmente na Índia, onde será lançado no final deste mês. O hatchback 100% elétrico pode chegar ao Brasil, mas ainda não foi confirmado pela fabricante. O modelo tem motor de 57 cv e autonomia de 320 quilômetros.

Em uma tomada doméstica o carregamento completo leva 10 horas

Em uma tomada doméstica o carregamento completo leva 10 horas

Citroën/Divulgação

Visualmente, o Citroën eC3 adota o mesmo visual da versão a combustão, que é vendida no Brasil desde agosto de 2022. Também não há mudança no design do interior do hatchback.

Citroën eC3 traz bateria produzida pela chinesa SVolt 29,2 kWh

Citroën eC3 traz bateria produzida pela chinesa SVolt 29,2 kWh

Citroën/Divulgação

Em relação à motorização, o Citroën eC3 vem equipado com motor elétrico, que entrega 57 cv com torque de 14,5 kgfm. De acordo com a fabricante, o modelo pode fazer de zero a 60 km/h em apenas 6,8 segundos e atingir a velocidade máxima de 107 km/h.

Novo CITRÖEN C3 First Edition 1.6 VALE R$ 100 mil? Veja o vídeo!

O Citroën eC3 traz bateria produzida pela chinesa SVolt 29,2 kWh, o que confere uma autonomia de até 320 quilômetros pela métrica indiana ARAI. Em uma tomada doméstica o carregamento completo leva 10 horas em uma tomada de alta potência é possível ter 80% da carga feita em 57 minutos.

*Com a colaboração Felipe Salomão

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas