Autos Carros Com produção prejudicada, vendas de veículos caem 5,8% em agosto, diz Anfavea

Com produção prejudicada, vendas de veículos caem 5,8% em agosto, diz Anfavea

Situação só deve ser normalizada em 2023, avalia entidade que evita fazer projeções para o final do ano em função do cenário instável

Resumindo a Notícia

  • Entidade divulgou que a produção de veículos caiu 21,9% em relação a agosto de 2020
  • Estoques estão no menor nível da história, apenas 13 dias
  • No mês passado foram licenciados 172,8 mil veículos
  • Mercado teve 1,4 milhão de veículos vendidos desde janeiro
Brasil deve ter entre 240 e 280 mil veículos a menos neste ano

Brasil deve ter entre 240 e 280 mil veículos a menos neste ano

Hyundai/Divulgação

Dados divulgados nesta manhã pela Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, mostra que a em agosto de 2021 foram licenciados 172,8 mil veículos o que inclui automóveis, ônibus, caminhões e comerciais leves. A queda é de 5,8% na produção e 8,8% nos licenciamentos em relação a agosto de 2020. Segundo a Anfavea, que divulgou os dados em uma coletiva de imprensa virtual, a falta de peças e semicondutores se reflete diretamente nos resultados do mercado. No acumulado do ano, o crescimento chega a 21,9% com mais de 1,4 milhão de veículos vendidos desde janeiro.

Falta de peças e semicondutores se reflete diretamente nos resultados do mercado

Falta de peças e semicondutores se reflete diretamente nos resultados do mercado

Chevrolet/Divulgação

A própria Anfavea diz que os estoques estão no menor nível da história, apenas 13 dias, refletindo giro mais rápido das concessionárias diante da produção prejudicada. Em algumas marcas e modelos, o consumidor não tem a opção de compra para receber o veículo dentro deste ano. Refletindo a recuperação da economia as vendas de caminhões estão em alta com 13 mil unidades emplacadas neste ano, o melhor número desde dezembro de 2014. Já o segmento de ônibus registrou alta de 12,1% na produção acumulada entre janeiro e agosto deste ano com a produção de 11.925 chassi (onde são montadas as carrocerias dos coletivos).

Estoques estão no menor nível da história, apenas 13 dias

Estoques estão no menor nível da história, apenas 13 dias

Volkswagen/Divulgação

A Anfavea reportou ainda que a produção de veículos caiu 21,9% em relação a agosto de 2020, quando as fábricas retomavam a produção de automóveis e comerciais com mais força após a primeira onda da pandemia do novo coronavírus. Para o presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes, a queda se reflete diretamente no resultado acumulado. "Enquanto no mundo a produção de veículos deve perder entre sete e nove milhões de unidades, no Brasil devemos ter entre 240 e 280 mil veículos a menos neste ano", explica o executivo que recentemente afirmou que este ano será de "emoção" com os altos e baixos da indústria de veículos por conta da falta de peças e semicondutores. Moraes voltou a dizer na coletiva que a situação persistirá ao longo de 2022 e deve se normalizar somente no início de 2023. "Devemos ter incentivos para produção local de peças, mas é importante dizer que é uma indústria complexa que demanda muitos investimentos. O Governo Biden e o governo alemão já trabalham neste sentido pois a indústria de semicondutores é importante para todo o setor indo além do automotivo. Estamos trabalhando com o governo nesta questão", disse Moraes.

Mercado teve 1,4 milhão de veículos vendidos desde janeiro

Mercado teve 1,4 milhão de veículos vendidos desde janeiro

Internet/Reprodução

A respeito da crise institucional, o presidente da Anfavea disse que é preciso "serenidade e diálogo para sairmos dessa crise política e institucional e não podemos deixar nenhum brasileiro para trás. A pandemia já foi triste para os brasileiros e confio que deixaremos essa questão para trás para que o o país possa crescer", finalizou.

Últimas