Autos Carros Ford tira Fusion de linha nos EUA para focar na produção do Bronco

Ford tira Fusion de linha nos EUA para focar na produção do Bronco

Marca abandona segmento que liderou por anos para focar na produção de SUVs e pickups seguindo estratégia adotada em 2017

  • Autos Carros | Marcos Camargo Jr

Ford Divulgação

Com fim decretado desde o ano passado a Ford oficializa nesta semana o fim da produção do Fusion no México após 14 anos. Depois do fim de clássicos da marca como o Taurus e Crown Victoria, além de sucessos como o Five Hundred, Focus e Fiesta sedan, a Ford deixa de atuar no segmento dos sedãs de forma global com raras exceções como o nosso Ka sedan, um dos mais vendidos do segmento. Apesar disso, no Brasil a Ford também enxugou drasticamente o segmento removendo em 2019 o Fiesta e o Focus do seu portfólio. A exceção fica por conta do lendário Mustang que é um sucesso de vendas.

Fusion quando estreou em 2006: alternativa moderna aos sedãs envelhecidos da época

Fusion quando estreou em 2006: alternativa moderna aos sedãs envelhecidos da época

Ford Divulgação

O fim do Fusion após duas gerações coloca o sedã no alvo dos crossovers cujas vendas só crescem nos Estados Unidos. Para se ter uma ideia do enxugamento do portfólio hoje a marca oferece em sua terra natal nada menos do que nove crossovers (incluindo o EcoSport), três pickups e somente um automóvel: o Mustang. Por aqui o Fusion deixou de ser oferecido em maio.

Ford Divulgação

O Fusion ainda aparece no catálogo da marca mas sua produção foi encerrada para dar lugar à linha do novo Bronco, que já recebeu mais de 165 mil encomendas.

Mas qual o motivo do "abandono"?

É uma questão de demanda. A Ford e várias montadoras tradicionais nos Estados Unidos tem percebido a redução de demanda por sedãs em favor dos SUVs.

Taurus estreou em 1985 como resposta aos sedãs japoneses: outros tempos

Taurus estreou em 1985 como resposta aos sedãs japoneses: outros tempos

Ford Divulgação

No caso do Fusion em 2015 ele foi responsável por 300 mil unidades fabricadas. Este número chegou a apenas 60 mil em 2019. Assim, nos Estados Unidos a Ford não oferece mais sedãs simplesmente porque o consumidor não quer mais comprar esse tipo de produto.

Montadora oferece nove crossovers e três pickups nos EUA mas apenas um automóvel (Mustang)

Montadora oferece nove crossovers e três pickups nos EUA mas apenas um automóvel (Mustang)

Ford reprodução

Jim Hackett, CEO global da Ford, havia dito ainda em 2017 que o plano da marca seria focar nos Crossovers e Pickups de forma global. Segundo Hackett US$ 7 bilhões seriam realocados para investir em novos produtos.

O fim dos clássicos sedãs

Ford Divulgação

De forma global a Ford tem feito ajustes na sua estratégia mas essa história é muito antiga. Nos anos 1980 com o crescimento de sedãs de origem japonesa como o Civic e o Corolla, além do Camry e do Accord nos EUA, a marca lançou o Taurus que foi um sucesso. Da mesma forma no segmento dos compactos a Ford introduziu modelos de menor porte como o Focus, Mondeo, Five Hundred, Countour entre outros como o Escort e o Fiesta de projetos europeus. Tempos depois os antiquados Crown Victoria e seus derivados também saíram de linha enquanto os crossovers só cresciam.

O fim de uma era com o Crown Victoria que deixou de ser produzido em 2011

O fim de uma era com o Crown Victoria que deixou de ser produzido em 2011

Ford Divulgação

No Brasil a marca acaba de lançar o Territory para competir no segmento dos crossovers médios e deve lançar em breve o Escape na versão híbrida. Asssim o portfólio ficará composto por EcoSport (compactos), Territory (médios), Escape (médios), Edge (grandes) e possivelmente Bronco Sport a partir de 2021.

Últimas