Autos Carros Se cuida Tesla: Nissan promete lançar 19 carros elétricos até 2030

Se cuida Tesla: Nissan promete lançar 19 carros elétricos até 2030

Novos modelos fazem parte do projeto chamado de Ambition 2030

Resumindo a Notícia
  • Brasil deve receber o Kicks híbrido com tecnologia e-Power ainda neste ano

  • Kicks híbrido deve ter motor 1.2 litro de 136 cv

  • Versão híbrida deve ter consumo de até 23 km/l

Brasil deve receber o Kicks híbrido com tecnologia e-Power ainda neste ano

Brasil deve receber o Kicks híbrido com tecnologia e-Power ainda neste ano

Nissan/Divulgação

A Nissan atualizou o plano Ambition 2030. Com isso, a marca pretende lançar 19 veículos 100% eletrificados e 27 com motorização híbrida até 2030. Inclusive, o Brasil deve receber o Kicks híbrido com tecnologia e-Power ainda neste ano. O modelo já foi anunciado duas vezes porém só agora está mais perto da estreia.

NOVO NISSAN LEAF: 10 novidades do carro elétrico que manteve o preço na linha 2023. Veja o vídeo!

Segundo a Nissan, o portfólio de vendas global deve ser de 55% de híbridos e elétricos até a próxima década. Já o mercado europeu até 2026 deve ter 98% das vendas concentradas em carros eletrificados. Os Estados Unidos devem ter 40% dos emplacamentos de veículos elétricos. Antes o plano Ambition 2030 prévia o lançamento de 23 carros híbridos e 15 veículos 100% elétricos.

Nissan Kicks E-Power tem o mesmo design da versão convencional e algumas inovações

Nissan Kicks E-Power tem o mesmo design da versão convencional e algumas inovações

Nissan/Divulgação

No Brasil, a Nissan confirmou que a tecnologia E-Power chegará em 2023. Com isso, abre a possibilidade do Kicks híbrido, que já é vendido no México, seja vendido por aqui. O SUV compacto tem motorização de 1.2 litro de 136 cv. A versão híbrida deve ter consumo de até 23 km/l.

Interior também não tem nenhuma diferença da opção a combustão

Interior também não tem nenhuma diferença da opção a combustão

Nissan/Divulgação

Vale ressaltar que o crossover compacto é produzido na Tailândia, será introduzido na América Latina via mercado mexicano, onde a empresa tem uma fábrica e é líder de mercado.

*Com a colaboração Felipe Salomão

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas