Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Blog do Zamataro
Publicidade

Chefe da ONU teme um novo Chernobyl após drones quase atingirem a maior usina nuclear da Europa

Rafael Grossi voltou a dizer que a situação é “precária” e o risco de um desastre nuclear é muito alto

Blog do Zamataro|Luiz Felipe ZamataroOpens in new window


Rafael Grossi já avisou ao Conselho de Segurança sobre o risco de uma tragédia se a usina explodir AIEA/Divulgação

A Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA) voltou a pedir cautela para ucranianos e russos. Três ataques de drones quase atingiram a usina nuclear de Zaporizhzhya, que hoje é controlado pela Rússia. Os dois países trocam acusações sobre a autoria.

“É extremamente preocupante que esses ataques de drones continuem, apesar dos perigos muito claros que eles representam para as pessoas, bem como para a segurança na usina nuclear. Eles devem parar, imediatamente”, disse o diretor-geral da agência, o argentino Rafael Grossi.

Para piorar, a equipe da AIEA relatou que ouviu atividades militares “na maioria dos dias da semana passada”, incluindo explosões e tiros bem perto da estação.

É um risco muito sério.

Publicidade

Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), fez um apelo histórico: “Pedimos a todas as partes que evitem provocar um perigoso incidente nuclear na Ucrânia, que podia representar enormes ameaças imediatas e a longo prazo para a saúde humana e o ambiente”.

Em resumo, nunca estivemos tão perto de um acidente nuclear como agora.

Publicidade

A usina que fica na cidade de Zaporizhzhia é a nona maior do planeta.

Em outubro de 2022, logo após o começo da Guerra da Ucrânia, a Rússia assumiu o controle de toda região.

Pela primeira vez na história, os seis reatores construídos (ainda na era da União Soviética) estão desligados, mas carregados de energia nuclear.

A usina foi construída para resistir até à colisão de um avião comercial, mas vem se tornando alvo de vários ataques em dois anos de conflito. A AIEA confirma que ela já foi bombardeada “diversas vezes” e que o status de lá é “precário”.

A usina perdeu toda energia externa por oito vezes: ou seja, ela foi paralisada durante a função de resfriamento, que é essencial para o funcionamento de uma usina nuclear. Geradores de emergência foram acionados diversas vezes. É uma situação jamais antes vista.

Os chefes da União Europeia falam em “perigoso acidente nuclear” e pediram para as tropas saírem de lá com urgência, mas a Rússia resiste.

Putin não abre mão da usina e nem da região. Em português claro: qualquer erro de cálculo pode resultar em uma tragédia nuclear.

Grossi disse que planeja informar o Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a situação. Vai ser a sétima vez que ele avisará sobre a situação na Ucrânia em 20 meses. E nada foi feito.

E se a usina explodir? Ninguém ainda conseguiu calcular o tamanho do desastre. Todos esperam que só fique mesmo na teoria.

Veja também



Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.