Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Luiz Fara Monteiro
Publicidade

Ativistas invadem aeroporto onde o jato de Taylor Swift pousou e pulverizam aviões com tinta

Dois ativistas da Just Stop Oil invadiram um campo de aviação privado no aeroporto de Stansted na quinta-feira antes de atacarem jatos

Luiz Fara Monteiro|Luiz Fara MonteiroOpens in new window


Ativistas cortaram cerca e vandalizaram aeronave Reprodução/X @juststop_oil

Ativistas da Just Stop Oil pulverizaram tinta laranja sobre jatos particulares no aeroporto de Stansted, em Londres, no campo de aviação onde o avião de Taylor Swift estaria estacionado.

De acordo com reportagem do The Guardian, dois ativistas, Jennifer Kowalski, 28, ex-gerente de sustentabilidade de Dumbarton, e Cole Macdonald, 22, de Brighton, invadiram um campo de aviação privado em Stansted às 5h da quinta-feira antes de atacar o jato. Não está claro se a aeronave da cantora foi atingida pelo ato.

Em uma postagem no X, o grupo ativista ambiental Just Stop Oil (JSO) disse: “Jennifer e Cole cortaram a cerca do campo de aviação privado em Stansted, onde o jato de taylorswift13 está estacionado, exigindo um tratado de emergência para acabar com os combustíveis fósseis até 2030″.

O vídeo que acompanhava mostrava um dos ativistas abrindo um buraco na cerca antes de borrifar tinta sobre os jatos.

Publicidade

Em fevereiro, os advogados de Taylor Swift ameaçaram com uma ação legal contra um estudante que rastreia e divulga nas redes sociais as rotas operadas pelas cantoras. A conta X CelebJets, descobriu que o avião de propriedade de Swift, foi o mais utilizado por celebridades emitindo mais de 8 mil toneladas de carbono. Um porta-voz da cantora negou que Swift estivesse em todos os voos, dizendo que seu avião foi emprestado a terceiros.

A manifestação de Stansted ocorreu no momento em que o English Heritage - uma instituição de caridade que administra mais de 400 monumentos históricos, edifícios e locais - implorava ao JSO para parar de atacar monumentos culturais depois que dois manifestantes pulverizaram energia laranja em Stonehenge.

Publicidade

Nick Merriman, o principal executivo do órgão nacional que cuida de centenas de propriedades e locais nacionais, incluindo Stonehenge, condenou o protesto como “vandalismo a um dos monumentos antigos mais célebres do mundo”.

Dois ativistas da Just Stop Oil foram presos após o incidente de quarta-feira.

Publicidade

O grupo tem como alvo uma série de instituições culturais nos últimos meses, incluindo a interrupção de um concerto de Proms no Royal Albert Hall; danificando uma caixa em torno da Carta Magna na Biblioteca Britânica e jogando sopa de tomate sobre os Girassóis de Vincent van Gogh na Galeria Nacional.

Falando ao programa Today da BBC Radio 4 na terça-feira, Merriman disse: “Respeitamos o direito das pessoas de protestar como um direito importante na vida britânica. Mas desejamos que as pessoas canalizem os seus protestos para longe dos locais de património cultural, museus e galerias, porque sentimos que isso não ajuda realmente a sua causa e causa esta enorme perturbação e perturbação no funcionamento destes locais importantes.”

Numa declaração sobre o protesto de Stonehenge, a Just Stop Oil disse que era hora de uma “ação megalítica” para parar a extração e queima de petróleo, gás e carvão até 2030.

Dizia: “Continuar a queimar carvão, petróleo e gás resultará na morte de milhões. Temos que nos unir para defender a humanidade ou arriscaremos tudo. É por isso que a Just Stop Oil está a exigir que o nosso próximo governo assine um tratado juridicamente vinculativo para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis até 2030.”





Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.