Refletindo Sobre a Notícia por Ana Carolina Cury Após vencer mestre do xadrez, menino de 10 anos tem reação fantástica

Após vencer mestre do xadrez, menino de 10 anos tem reação fantástica

Frederick Waldhausen Gordon tem se destacado no esporte. Disciplina e humildade são características do atleta 

Em março deste ano, o jovem escocês Frederick Waldhausen Gordon, de apenas 10 anos, participou de um torneio de xadrez, promovido pela Federação Inglesa de Xadrez e ganhou a partida contra Bogdan Lalic, um grande mestre do esporte.

Além dele, enfrentou outros seis adultos. E, apesar da alegria por ter vencido a disputa, Frederick não quis contar sua conquista a ninguém, nem para os colegas da escola.

"Estava muito nervoso, mas achei que, independentemente do que acontecesse, aprenderia com essa experiência. Então, não coloquei muita pressão sobre mim mesmo. Quando ganhei, decidi não falar para ninguém na escola, porque pensei que estaria me exibindo. Comemorei com a minha família", contou em entrevista à BBC.

Disciplina

Aos 6 anos, Frederick começou a jogar xadrez e, em pouco tempo, já conseguia vencer seus pais - que são doutores em matemática - no jogo. Depois, ingressou no Clube de Xadrez de Edimburgo, na capital da Escócia, e passou a treinar duas horas diárias. Além disso, ele assiste a vídeos no YouTube e aprende táticas com os melhores jogadores do mundo.

Frederick Waldhausen Gordon, de apenas 10 anos, conquistou o título de melhor jogador de xadrez escocês da categoria sub-18

Frederick Waldhausen Gordon, de apenas 10 anos, conquistou o título de melhor jogador de xadrez escocês da categoria sub-18

Reprodução

Assim, não demorou muito para se tornar campeão britânico na categoria sub-10 e conquistar o título de melhor jogador escocês de até 18 anos (sub-18). Agora, seu próximo desafio será participar do Torneio Escocês Júnior, em 12 de junho.

No evento, podem participar jogadores com idades entre 6 e 18 anos e os prêmios chegam a 10 mil libras, por volta de R$ 75.000,00.

Virtude única

Tão ou mais importante que o talento para jogar xadrez é a humildade de Frederick. Afinal, há muitas características que definem uma pessoa talentosa, mas uma das principais é ser humilde.

Quem tem essa virtude, jamais busca se mostrar para os outros para se sentir valorizado.
Algo raro nos dias atuais, onde o exibicionismo impera. O que mais vemos, principalmente nas redes sociais, são pessoas querendo contar vantagem sobre outras, querendo ser o centro das atenções para conquistar fãs e tentar provar por que todos deveriam seguir seu caminho.

Esse comportamento acaba sendo utilizado como um mecanismo de defesa, para que se busque fora o reconhecimento que não se encontra dentro de si.

Apesar do talento, o jovem faz aulas e pratica xadrez diariamente

Apesar do talento, o jovem faz aulas e pratica xadrez diariamente

Reprodução / Maja Waldhausen

Seguindo o exemplo de Frederick

É claro que é natural sentir vontade de compartilhar uma conquista com pessoas que torcem pelo nosso sucesso. Isso é saudável e faz parte. Só que existe uma linha tênue entre o que é normal e o que é exagero.

Recorrer ao exibicionismo para se autoafirmar não é uma boa opção. O que costuma acontecer é que, com o tempo, a pessoa comece a ser vista como alguém que precisa de atenção e aplausos.

O melhor caminho é fazer o que o pequeno Frederick fez. Comemorar as vitórias com quem, de fato, está ao nosso lado, sem precisar chamar antenção para si. Afinal de contas, enquanto "o orgulho antecede a queda, a humildade precede a honra", o sucesso e a verdadeira felicidade.

Últimas