Ataques de ódio após morte do filho de Whinderson. Onde vamos parar?

Durante a gravidez, pessoas desejaram que noiva do humorista perdesse o filho. Agora, internautas ameaçam e culpam Luísa Sonza pela morte precoce do bebê

Depois da veiculação da triste notícia da morte do filho de Whinderson Nunes e Maria Lina, João Miguel, que nasceu prematuro com apenas 22 semanas, os fãs do casal fizeram comentários maldosos e com tons de ameaça à ex-esposa do humorista, Luísa Sonza.

As mensagens, com muitos xingamentos, culpavam a cantora pela morte do bebê. Isso se deve ao fato de que a separação deles não foi bem aceita pelo público e gerou muita polêmica.

Depois da repercussão, Luísa chegou a publicar um vídeo chorando e pedindo para as pessoas "pararem", mas apagou pouco tempo depois.

O próprio Whinderson Nunes, há três semanas, desabafou após ser atacado nas redes sociais e revelou que sua noiva, Maria Lina, recebeu mensagens desejando que ela perdesse o bebê. "O povo vai no insta da Maria dizer que ela vai perder o bebê, não sai nada que preste desse assunto, é incontrolável", escreveu.

O filho recém-nascido do humorista Whindersson Nunes e Maria Lina faleceu na segunda-feira

O filho recém-nascido do humorista Whindersson Nunes e Maria Lina faleceu na segunda-feira

Montagem R7 / Reprodução Instagram

Ataques que geram consequências

O fato é que, independentemente do que tenha acontecido entre Whinderson e Luísa, os internautas perderam a noção do bom senso, acham que a internet é uma terra sem lei e que podem xingar, julgar e ameaçar sem que isso traga consequências. Mas, a verdade é que eles podem sim ser processados e penalizados por isso.

Usar recursos online, ou qualquer outra ferramenta, para incitar a violência e difundir o discurso do ódio não é aceitável, muito menos tolerável. "Ah, mas e a liberdade de expressão e de opinião?", talvez você questione.

Sim, ela é essencial. Mas, a partir do momento que essa "manifestação do pensamento" é usada para prejudicar ou atacar a imagem, a honra ou a privacidade do outro, o caso muda de figura. E, esse tipo de conduta é passivo de processo judicial, onde a pessoa pode até mesmo ser condenada.  

Vencendo os traumas

Uma perda é sempre dolorosa. Não há como culpar os haters por ela. Mas, com certeza, a repercussão da partida de João Miguel traz à tona, mais uma vez, a importância de entender que essa raiva destilada é prejudicial e deve ser combatida.

Maria Lina, sofreu ataques durante a gestação. Agora, fãs culpam ex-esposa do humorista pela morte

Maria Lina, sofreu ataques durante a gestação. Agora, fãs culpam ex-esposa do humorista pela morte

Reprodução / Instagram

Whindersson lamentou as perseguições e escreveu sobre a perda: "(...)E você saiu, não pra casa, mas pra melhor casa, ao lado do melhor. Te amo filho", declarou.

Maria Lina também se pronunciou após a morte de João Miguel, disse que está despedaçada, criticou a imprensa por ter noticiado de forma irresponsável o nascimento e a morte do filho e também falou dos ataques recebidos.

"Vocês, sites de fofoca e jornalistas que passam por cima de qualquer coisa em nome de audiência e divulgam as notícias antes dos envolvidos, vocês são nojentos. Todo mal que causamos nessa vida nos retorna. Nunca se esqueçam disso. Que você receba de volta tudo aquilo que desejou e causou na vida alheia", finalizou.

Para a psicóloga Osmarina Vyel, o casal precisa se blindar desse tipo de discussão para cuidar da recuperação emocional de ambos. "Quando alguém que amamos morre, dói demais, e, quando se trata de um filho, um bebê recém-nascido, a dor é muito intensa. Isso porque, além do amor, existe uma expectativa que é criada e, com a partida, frustrada. Por isso, é essencial que o casal se una, viva o período de tristeza e, posteriormente, transforme o luto em força. É preciso aprender, neste momento, a olhar para dentro de si e ter fé para seguir em frente", detalha.

As pessoas precisam ter mais respeito e parar de julgar o próximo que mal conhecem. Se cada um se preocupasse em cuidar da sua vida, dos seus defeitos e problemas, o mundo seria um lugar muito melhor, não tenho dúvidas disso.

Últimas