Atitude surpreendente de atletas contra sexualização inspira mulheres

Ginastas alemãs se apresentaram usando calças como forma de protesto contra o uso dos tradicionais collants sensuais e nada confortáveis

As mulheres são objetificadas na sociedade. Basta analisar, sobretudo a partir dos anos 70, como a sensualidade se tornou objeto de trabalho.

Seja nos comerciais de bebidas alcoólicas, nas feiras de automóveis, nos ensaios fotográficos de revistas, nos mais diferentes sites de notícias, nas redes sociais e até nos esportes, muitas acabam permitindo que seu corpo seja usado como atrativo. Há quem não veja problema nisso, mas tantas outras fazem porque dizem "se sentir obrigadas".

Neste contexto, o R7 deu uma notícia de esperança na quinta-feira ao mostrar a atitude da equipe de ginástica artística da Alemanha que se apresentou para o treino em Tóquio 2020 usando calças em vez do tradicional collant.

Ginastas alemãs se negam a usar collants e se apresentam vestindo calças

Ginastas alemãs se negam a usar collants e se apresentam vestindo calças

Reprodução/Instagram

A Federação alemã explicou que elas estão se posicionando contra a sexualização na ginástica e reforçou que tal atitude é essencial para prevenir o abuso sexual.

E não foram apenas elas que se impuseram. Na semana passada, atletas da seleção norueguesa de handebol de praia trocaram o tradicional uso de biquíni por shorts, o que fez com que a Federação fosse punida com uma multa no valor de 1,5 mil euros, cerca de 9,3 mil reais.

A psicóloga Elisangela Lacerda observa que essas reivindicações em torno das roupas das atletas acendem a importância de se discutir o tema. "É um debate muito importante, afinal de contas, as atletas precisam ter o direito de vestir aquilo que se sentem à vontade, sem ficarem expostas visualmente. Elas estão deixando claro que querem mostrar suas habilidades como atletas e esportistas e não ser um objeto de desejo".

Hoje em dia, a moda grita para a sensualidade. Mas, mostrar o corpo não tem nada a ver com ser elegante. E as atletas também provaram isso.

Dados assustadores

Esse assunto se torna ainda mais importante quando analisamos os números dos casos de assédio. Aqui no Brasil, segundo uma pesquisa feita pelos institutos Patrícia Galvão e Locomotiva, 97% das mulheres com mais de 18 anos disseram já terem sofrido assédio sexual no transporte público.

Além disso, quase metade das mulheres entrevistadas em uma pesquisa do LinkedIn e da consultoria de inovação social Think Eva revelaram que já sofreram assédio sexual no trabalho. A maioria disse ter tido medo de denunciar, 15% pediram demissão e 5% reportaram o caso.

"Temos um longo caminho a percorrer. O assédio moral e sexual contra as mulheres é latente no transporte público, no ambiente de trabalho e em tantos outros locais. Então, a atitude dessas atletas é um marco importante não só para o esporte", acrescenta a psicóloga.

Consequências da erotização

A verdade é que quem estimula a sensualização da mulher está contribuindo para que casos de assédio continuem acontecendo. "Porque se chama a atenção masculina da forma errada e, agindo dessa maneira, desperta apenas o interesse sexual, não o de admiração e respeito", salienta a psicóloga Elisangela Lacerda.

Equipe feminina de handebol da Noruega foi multada por não usar biquíni

Equipe feminina de handebol da Noruega foi multada por não usar biquíni

Reprodução

Assim, aqueles homens que já têm um desvio de caráter são encorajados a tomarem atitudes desrespeitosas contra qualquer mulher.

Por isso, é preciso que haja conscientização tanto das mulheres quanto dos homens. Elas precisam se amar e se valorizar para não permitirem a objetificação de seus corpos. A atriz conhecida mundialmente, Scarlett Johansson, deu esse exemplo quando disse em uma entrevista ao site americano The Hollywood Reporter que não se orgulha de ter incentivado esse tipo de sensualidade. "Eu fui muito hipersexualizada. Mesmo que não fizesse parte da minha própria narrativa, a hipersexualização foi criada para mim".

Sem saber desse arrependimento, muitas pensam que seguir o exemplo da atriz (de agir de forma sensual) trará a felicidade. E estão enganadas.

E eles precisam parar de achar que é engraçado falar de outras mulheres de forma perjorativa (comum hoje em dia em grupinhos de Whatsapp), que é normal consumir conteúdos que mostram a mulher como um objeto descartável, que podem flertar com aquela moça, mesmo ela tendo negado querer algum tipo de envolvimento.

Assim, por mais que a erotização ainda seja comum, nem o homem nem a mulher podem se deixar influenciar. E a melhor maneira de fazer isso é não dar atenção a esse tipo de conteúdo e se posicionar contra essa indústria, assim como as atletas têm feito.

Somente dessa forma é possível blindar a mente e proteger as famílias.

Últimas