Cancelamento e afastamento de Maurício Souza: preconceito ou opinião?

O jogador, que conquistou a medalha de ouro na Olimpíada de 2016, criticou a inserção da linguagem neutra, a mudança em personagem e a participação de atletas transgêneros em esportes femininos

O jogador de vôlei da seleção brasileira Maurício Souza, medalha de ouro na Olimpíada de 2016, se viu envolvido em uma grande polêmica nos últimos dias por causa de algumas postagens que fez em sua rede social.

Por expressar que não concordava com o anúncio da bissexualidade do personagem Super-Homem, por criticar a implementação da linguagem neutra em uma novela e por se posicionar contra a participação de atletas transgêneros em esportes de modalidades femininas, ele foi alvo de uma campanha de cancelamento organizada pela Torcida Independente e apoiada por patrocinadores do time.

Após publicações nas redes sociais, diretoria do Minas Tênis Clube afasta o jogador Maurício Souza

Após publicações nas redes sociais, diretoria do Minas Tênis Clube afasta o jogador Maurício Souza

Fernando Frazão / Agência Brasil

Após a repercussão do caso, Souza foi afastado do Minas Tênis Clube e obrigado a fazer uma retratação pública, além de ter de pagar multa.

Repercussão

Grande parte do elenco não concordou com a decisão. Em carta enviada à diretoria do clube, o grupo defendeu o direito à "liberdade de expressão", e seus colegas chegaram a dizer que, se Maurício Souza fosse demitido, eles não continuariam no time.

O jogador também chegou a se posicionar sobre as críticas e disse que aguentaria os ataques. Para ele, todos têm o direito de se expressar e manifestar o que pensam. "Não pode ter dois pesos. Não posso ser visto como homofóbico porque penso diferente, porque tenho outra visão das coisas. [...] Tem de respeitar, como eu respeito, a escolha de cada um. Só não mexe com crianças", pontuou.

Concordar em discordar

Não conheço Maurício e não posso afirmar se ele é ou não preconceituoso, mas essa situação escancara a necessidade de refletirmos sobre a forma como as opiniões contrárias estão sendo julgadas.

Estamos vivendo uma realidade em que muitos direitos estão sendo requeridos. Ao mesmo tempo, aqueles que expressam opiniões que contrariam o pensamento público têm sofrido ataques de ódio.

Em razão disso, conheço muitas pessoas que escolhem "ficar em cima do muro" e deixam de expressar seus pensamentos; afinal, elas têm medo de ser mal interpretadas e vistas como preconceituosas. 

O atleta, que já foi considerado o melhor central da Liga Mundial de Vôlei, criticou a mudança comportamental de personagens da Marvel e a inserção da linguagem neutra

O atleta, que já foi considerado o melhor central da Liga Mundial de Vôlei, criticou a mudança comportamental de personagens da Marvel e a inserção da linguagem neutra

Carlos Garcia Rawlins / Reuters - 28.07.2021

Jamais defenderei qualquer tipo de preconceito. Concordo plenamente com o artigo 5º da nossa Constituição, que diz que "todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade".

Somos livres para escolher a vida que queremos ter. Entretanto, ao mesmo tempo, o artigo 5º também diz que podemos expressar nossas opiniões e pensamentos sem nenhuma interferência do Estado ou de qualquer outra pessoa. O seja, temos, por lei, a garantia do livre exercício do pensamento e da liberdade de expressão.

Cada um tem o direito de ter sua convicção e deve ser respeitado por isso. É claro que, se a discriminação for comprovada, deverá haver punição; afinal, o respeito deve sempre existir e prevalecer. Por outro lado, ninguém deveria ser massacrado apenas por pensar ou ter uma opinião.

Precisamos parar de julgar como preconceituosas as opiniões diferentes. Uma pessoa tem o direito de discordar de algo sem desrespeitar.

Portanto, não concordar com a linguagem neutra, com as mudanças dos personagens de contos clássicos ou com qualquer outro assunto é um direito assegurado pela legislação. O que precisamos combater com força são os crimes que deturpam a democracia.

Últimas