Rio de Janeiro Argentino é o 2º a ser solto após ter sido identificado como foragido por sistema de reconhecimento facial 

Argentino é o 2º a ser solto após ter sido identificado como foragido por sistema de reconhecimento facial 

Mulher também foi liberada após a Polícia Civil do Rio descobrir que o mandado de prisão contra ela havia sido revogado

  • Rio de Janeiro | Gabriel Vital*, do R7

Argentino é solto após ter sido identificado como foragido por videomonitoramento no Rio de Janeiro

Argentino é solto após ter sido identificado como foragido por videomonitoramento no Rio de Janeiro

Reprodução/Record Rio

Um argentino, de 54 anos, foi a segunda pessoa a ser solta após ter sido identificada como foragida pelo novo sistema de reconhecimento facial usado pela polícia do Rio de Janeiro.

O estrangeiro havia sido preso em Copacabana, na zona sul da capital fluminense, no início da semana. 

Durante a audiência de custódia, ele foi liberado porque a Justiça já havia considerado a pena dele extinta e expedido um alvará de soltura. 
Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Na última quarta-feira (3), uma mulher passou por uma situação parecida. Ela foi identificada como foragida pelo sistema de videomonitoramento, enquanto caminhava no calçadão de Copacabana.

A mulher foi levada para a delegacia e acabou liberada. Isso porque os agentes descobriram que o sistema utilizado pela Polícia Civil para verificar as decisões do Poder Judiciário não estava atualizado e a ordem de prisão contra ela já havia sido revogada. 

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, os mandados de prisão pendentes constam no Banco Nacional de Monitoramento de Prisões, conforme resolução do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), e esse sistema deve ser considerado pela polícia para a consulta de existência de ordens de prisões. 

O R7 tentou contato com a Secretaria de Segurança Pública, por e-mail, sobre os equívocos ocorridos em duas das quatro prisões feitas com a ajuda do videomonitoramento. Até o momento, não houve resposta. O espaço está aberto para manifestação. 

*Sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas