Rio de Janeiro Em meio a temporal, moradores e voluntários ajudam vítimas no RJ

Em meio a temporal, moradores e voluntários ajudam vítimas no RJ

No bairro de Guaratiba, na zona oeste, homem usa jipe para ajudar vizinhos. Em Mesquita, na Baixada Fluminense, ONG faz alimentos para atingidos

  • Rio de Janeiro | Lucas Ferreira, do R7*, com Record TV Rio

Douglas é morador de Guaratiba e ajuda os vizinhos

Douglas é morador de Guaratiba e ajuda os vizinhos

Reprodução/Record TV Rio

O temporal que atingiu a capital do Rio de Janeiro e a região metropolitana na noite de sábado (29) e manhã de domingo (1º) causou alagamentos, desabamentos e mortes, mas também motivou a ajuda da população que mora próxima aos atingidos pela chuva.

Três mortos são confirmados após temporal no RJ

Em Guaratiba, na zona oeste da capital, o morador da bairro Douglas Rios usou na manhã desta segunda-feira (2) o próprio jipe para andar pelas ruas da região e ajudar os vizinhos que estão em áreas alagadas. De acordo com o voluntário, são inúmeros os pedidos de socorro.

“O trabalho é bem difícil. Às vezes você está sozinho, não tem recurso. As pessoas pedem socorro de um lado, pedem do outro, e você não sabe para que lado que vai. É muito triste, mas estou ajudando da minha forma, do meu jeito”, contou Douglas à Record TV Rio.

Na cidade de Mesquita, na Baixada Fluminense, uma das regiões mais afetadas pela chuva deste final de semana, a ONG Instituto Mundo Novo está recolhendo alimentos e distribuindo refeições aos moradores da região. A organização abriu sua sede para abrigar famílias atingidas pelos alagamentos.

Como a ONG é voltada à educação de crianças e adolescentes, os responsáveis pela instituição estão pedindo doações nas redes sociais para manter a ajuda. Pelo menos 150 refeições foram entregues na noite de domingo (1º), segundo a organização.

ONG de animais pede ajuda

A ONG Focinho de Luz, em Sepetiba, na zona oeste, também usou as redes sociais para pedir ajudar. A água da chuva invadiu os canis nos quais ficam os animais na sede da organização. Cerca de 120 cães e gatos foram retirados do local.

De acordo com a Focinho de Luz, não é a primeira vez que alagamentos como esse acontecem. A ONG criou uma campanha de arrecadação online no valor de R$ 40 mil para melhorar as condições do abrigo.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Celso Fonseca

Últimas