Empresário depõe hoje sobre suposto vazamento de informações 

Paulo Marinho denunciou que houve vazamento de informações sigilosas ao senador Flávio Bolsonaro antes da eleição do presidente Bolsonaro

O empresário Paulo Marinho, que é pré-candidato a prefeito do Rio pelo PSDB

O empresário Paulo Marinho, que é pré-candidato a prefeito do Rio pelo PSDB

WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO - 27/06/2019

O empresário Paulo Marinho prestará depoimento nesta quarta-feira (20), às 14h, sobre suposto vazamento de informações sigilosas na Superintendência da Polícia Federal, no Rio de Janeiro.

A investigação foi aberta após Marinho revelar, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, que um delegado da PF do Rio informou a equipe do então deputado estadual Flávio Bolsonaro que a Operação Furna da Onça chegaria ao ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e sua filha, que até então trabalhava no gabinete de Jair Bolsonaro, em Brasília.

O delegado teria sugerido que ambos fossem demitidos e disse que seguraria a operação para depois do segundo turno das eleições presidenciais. A Furna da Onça foi deflagrada uma semana depois do pleito, em novembro de 2018.

Marinho é suplente do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e pré-candidato a prefeito do Rio de Janeiro pelo PSDB. Ele trabalhou pela eleição do presidente Bolsonaro, depois rompeu com a família.  Atualmente é aliado político  dos governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio, Wilson Witzel.

As denúncias de Marinho fizeram com que a PF reabrisse um inquérito sobre supostos vazamentos da Furna da Onça. O Ministério Público Federal também anunciou que vai investigar o caso.

Frederick Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro, em entrevista à Record TV, questionou a legitimidade da denúncia de Marinho. "Se esse empresário fez uma afirmação, ele não deveria fazê-la em uma entrevista jornalística. Se ele entende que houve um ilícito, por que ele não foi à época dos fatos e comunicou às autoridades?"