Estudo aponta 40 mil infectados em comunidade da zona oeste do Rio

Estimativa foi apresentada pela Prefeitura do Rio durante entrevista coletiva. Pesquisa foi feita em quatro comunidades e em dois bairros da cidade

Rio das Pedras é uma das maiores favelas da zona oeste

Rio das Pedras é uma das maiores favelas da zona oeste

Reprodução/Record TV Rio

Um estudo da Prefeitura do Rio de Janeiro, divulgado nesta segunda-feira (22), aponta que 39.800 moradores da comunidade de Rio das Pedras, na zona oeste da cidade, podem estar infectados com o novo coronavírus. O levantamento, que contou com a utilização de 3.210 testes rápidos, foi realizado em outras três favelas e dois bairros.

Assalto a depósito deixa um morto e dois feridos em Duque de Caxias (RJ)

O estudo, feito pela SMS-Rio (Secretaria Municipal de Saúde) e a Vigilância Sanitária da cidade, mostra que 25% das pessoas testadas em Rio das Pedras apresentaram resultado positivo para covid-19. O número sobe para 28% na Cidade de Deus, também zona oeste, e se mantém nesta faixa na Maré (19%), zona norte, e na Rocinha (25%), zona sul.

Como objeto de comparação, a Prefeitura do Rio também fez testes rápidos na população de Campo Grande e Realengo, zona oeste da cidade, onde 5% e 9% dos testados apresentaram resultado positivo, respectivamente.

De acordo com os representantes da SMS-Rio, os resultados recolhidos neste primeiro levantamento destacam a importância do isolamento social para o combate à transmissão do novo coronavírus. Regiões de comunidades, as quais apresentam maior quantidade de habitantes por residência do que nos bairros, sofrem para interromper o ciclo de contágio.

Ainda segundo o levantamento, 52% das pessoas que testaram positivo não apresentaram nenhum dos sintomas relacionados à covid-19, enquanto 16% relataram apenas um sintoma e outros 11% reportaram ao menos dois.

Secretário Estadual de Saúde do RJ anuncia demissão do cargo

Com os dados deste levantamento, o número de mortes por número estimado de casos positivos nas regiões pesquisadas cai, chegando a 0,9% em Campo Grande, por exemplo.

Segundo a Prefeitura do Rio de Janeiro, o estudo contou com apoio do Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística) e teve participantes de todas as faixas etárias escolhidos de forma aleatória por sorteio.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa