Rio de Janeiro Estudo aponta 40 mil infectados em comunidade da zona oeste do Rio

Estudo aponta 40 mil infectados em comunidade da zona oeste do Rio

Estimativa foi apresentada pela Prefeitura do Rio durante entrevista coletiva. Pesquisa foi feita em quatro comunidades e em dois bairros da cidade

Rio das Pedras é uma das maiores favelas da zona oeste

Rio das Pedras é uma das maiores favelas da zona oeste

Reprodução/Record TV Rio

Um estudo da Prefeitura do Rio de Janeiro, divulgado nesta segunda-feira (22), aponta que 39.800 moradores da comunidade de Rio das Pedras, na zona oeste da cidade, podem estar infectados com o novo coronavírus. O levantamento, que contou com a utilização de 3.210 testes rápidos, foi realizado em outras três favelas e dois bairros.

Assalto a depósito deixa um morto e dois feridos em Duque de Caxias (RJ)

O estudo, feito pela SMS-Rio (Secretaria Municipal de Saúde) e a Vigilância Sanitária da cidade, mostra que 25% das pessoas testadas em Rio das Pedras apresentaram resultado positivo para covid-19. O número sobe para 28% na Cidade de Deus, também zona oeste, e se mantém nesta faixa na Maré (19%), zona norte, e na Rocinha (25%), zona sul.

Como objeto de comparação, a Prefeitura do Rio também fez testes rápidos na população de Campo Grande e Realengo, zona oeste da cidade, onde 5% e 9% dos testados apresentaram resultado positivo, respectivamente.

De acordo com os representantes da SMS-Rio, os resultados recolhidos neste primeiro levantamento destacam a importância do isolamento social para o combate à transmissão do novo coronavírus. Regiões de comunidades, as quais apresentam maior quantidade de habitantes por residência do que nos bairros, sofrem para interromper o ciclo de contágio.

Ainda segundo o levantamento, 52% das pessoas que testaram positivo não apresentaram nenhum dos sintomas relacionados à covid-19, enquanto 16% relataram apenas um sintoma e outros 11% reportaram ao menos dois.

Secretário Estadual de Saúde do RJ anuncia demissão do cargo

Com os dados deste levantamento, o número de mortes por número estimado de casos positivos nas regiões pesquisadas cai, chegando a 0,9% em Campo Grande, por exemplo.

Segundo a Prefeitura do Rio de Janeiro, o estudo contou com apoio do Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística) e teve participantes de todas as faixas etárias escolhidos de forma aleatória por sorteio.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas