Rio de Janeiro Forças Armadas fazem operação em favelas da zona oeste do Rio

Forças Armadas fazem operação em favelas da zona oeste do Rio

Cerca de 500 militares trabalham para desobstruir vias de acesso às comunidades da Coreia e Vila Aliança; ação teve início na sexta-feira (23)

Forças Armadas fazem operação em favelas da zona oeste do Rio

Máquinas pesadas são usadas para remover barricadas

Máquinas pesadas são usadas para remover barricadas

Reprodução/Twitter

Cerca de 500 militares das Forças Armadas fazem, na manhã desta terça-feira (27), uma operação nas favelas Vila Aliança, em Bangu, e Coreia, em Senador Camará, ambas na zona oeste do Rio. Segundo o CLM (Comando Militar do Leste), o objetivo da ação é a retirada de barricadas colocadas pelo tráfico de drogas nas vias que dão acesso às comunidades. Para auxiliar o trabalho serão usadas 15 máquinas pesadas de engenharia e mais 50 viaturas.

A ação para desobstrução de vias começou na última sexta-feira (23) em três favelas da zona oeste. Na tarde desta segunda (26), os militares conseguiram concluir o trabalho na Vila Kennedy e hoje recomeçaram a operação na Vila Aliança e na Coreia.

De acordo com o CLM, a ação é realizada no contexto do Decreto Presidencial de GLO (Garantia da Lei e da Ordem), em apoio ao Plano Nacional de Segurança Pública.

Ainda segundo o Comando Militar, não haverá abordagens para averiguações nesta operação. O “fichamento” de moradores quando as ações começaram na semana passada provocou polêmica e reação de vários órgãos. Militares do Exército foram flagrados fotografando moradores junto aos seus documentos de identidade. 

OAB-RJ estuda ir à Justiça contra "fichamento" de moradores

OAB instala Observatório Jurídico da intervenção federal no RJ

Em nota, o CML defendeu que a atuação dos soldados é "legal" e feita regularmente. "Trata-se de um procedimento feito regularmente, legal, cuja finalidade é agilizar a checagem de dados junto aos bancos de dados da Secretaria de Segurança". Garantiu ainda que "uma vez enviada para o sistema da Polícia Civil, a foto é deletada."

*Sob supervisão de PH Rosa

    Access log