Justiça contradiz versão de Flordelis em caso de suposta adoção irregular

Conselho Tutelar pode denunciar parlamentar ao Ministério Público do Rio de Janeiro, caso ela não apresente documento com pedido de adoção

Deputada explica possível adoção irregular ao Conselho Tutelar

Deputada explica possível adoção irregular ao Conselho Tutelar

Fernando Frazão/Agência Brasil

Após ter a família acusada de participação na morte do marido, o pastor Anderson do Carmo, agora a deputa federal Flordelis está sendo cobrada para dar explicações sobre uma suposta adoção irregular de uma adolescente de 15 anos.

O juízo da Vara da Infância, Juventude e Idoso de Niterói informou, nesta terça-feira (1º), que não há qualquer processo de pedido de guarda em nome da parlamentar. 

Leia mais: Adolescente é baleado na perna no centro do Rio de Janeiro

Em entrevista ao R7, a presidente do Conselho Tutelar do Largo da Batalha, em Niterói, região metropolitana do Rio, Eliana Virgílio, disse aguardar que Flordelis apresente o documento que comprava o pedido de adoção.

“Solicitamos esse documento até segunda-feira (7), além do comparecimento da adolescente de 15 anos para conversar com a equipe técnica do Conselho Tutelar. Vamos aguardar até a data prazo. Se ela não estiver com tudo certo, faremos uma denúncia ao Ministério Público do Estado, no âmbito da Infância e Juventude.”

De acordo com a presidente do Conselho Tutelar do Largo da Batalha, a jovem continua sob os cuidados de Flordelis porque não há informações de maus tratos. 

“Estamos tentando regularizar a situação da adolescente porque ela não tem certidão de nascimento, e isso é grave. Além de estar matriculada de maneira irregular na escola.”

Em nota, a assessoria da deputada reafirmou que Flordelis abriu um processo de adoção em 2014. Além disso, o processo se tornou mais longo em razão da busca pelos pais biológicos por informações corretas da criança, além da certidão de nascimento dela.  

A assessoria disse ainda que a parlamentar apresentará os documentos necessários, como o número do processo de adoção que consta no Juizado de Menores.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira