Rio de Janeiro Justiça marca audiência de caso de furto de bicicleta no Leblon 

Justiça marca audiência de caso de furto de bicicleta no Leblon 

Crime repercutiu quando rapaz negro foi acusado do furto, mas roubo foi cometido por jovem branco morador da zona sul

Momento do furto da bicicleta elétrica registrado por câmeras de segurança

Momento do furto da bicicleta elétrica registrado por câmeras de segurança

Reprodução/Record TV Rio/Polícia Civil

A juíza Alessandra de Araújo Bilac Moreira Pinto, da 40ª Vara Criminal da Capital, marcou para o dia 25 de agosto, às 16h40, a primeira audiência de instrução e julgamento de Igor Martins Pinheiro, de 22 anos, que responde por furto qualificado de uma bicicleta elétrica. O veículo, avaliado em R$ 8 mil, foi levado em 12 de junho deste ano quando estava estacionado em frente ao Shopping Leblon, na zona sul do Rio de Janeiro.

Repercussão do caso

Matheus Ribeiro sofreu racismo

Matheus Ribeiro sofreu racismo

Reprodução/Redes sociais

O caso ganhou repercussão após Mariana Spinelli, dona da bicicleta, e Tomás Oliveira, namorado da jovem, abordarem o professor de surfe Matheus Nunes Ribeiro e perguntado se ele teria roubado o veículo.

Matheus, que é negro, aguardava por sua namorada na porta do shopping com uma bicicleta semelhante a que fora furtada.  Ele negou o fato e mostrou fotos antigas dele com a bicicleta do mesmo modelo. O instrutor, então, passou a filmar a discussão com o casal e postou o vídeo nas redes sociais.

O verdadeiro ladrão, Igor Martins Pinheiro, é branco e morador da zona sul da capital fluminense.

Investigações apontaram que a bicicleta que estava na posse de Matheus é furtada e o instrutor, desde então, passou a ser investigado por receptação. Segundo o jovem, a bicicleta elétrica foi comprada em um site de classificados, pelo valor de R$ 3.600. O vendedor também está sendo investigado.

Histórico criminoso

Igor Martins Pinheiro, que é reincidente e conhecido por praticar diversos furtos na zona sul do Rio, está preso preventivamente desde o dia 17 de junho. Ele foi reconhecido por imagens de câmeras de segurança na área do shopping. O réu já teve dois pedidos negados para revogação de sua prisão preventiva.  De acordo com a denúncia, o jovem costumava vender os objetos furtados em sites na internet.

Para a audiência de instrução e julgamento foi requisitada a presença do réu e de testemunhas como os policiais civis que o abordaram, Mariana Spinelli, Tomás Oliveira, entre outros.

*Estagiário do R7 sob supervisão de PH Rosa

Últimas