Rio de Janeiro Laudos mostram força da batida em casal atropelado por Marcinho

Laudos mostram força da batida em casal atropelado por Marcinho

 Jogador foi indiciado por duplo homicídio culposo por ter atropelado casal no dia 30 de dezembro na zona oeste do Rio

  • Rio de Janeiro | Mariene Lino, do R7*

O IML (Instituto Médico Legal) liberou nesta sexta-feira (8) os laudos da necrópsia dos corpos do casal de professores Alexandre Silva de Lima e Maria Cristina Soares, atropelados pelo jogador Marcinho no dia 30 de dezembro no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio.

Marcinho foi indiciado nesta quinta (7)

Marcinho foi indiciado nesta quinta (7)

Reprodução / Instagram

Segundo informações da Record TV, Alexandre sofreu traumatismo no crânio, no tórax e no abdômen, com hemorragia interna.

Já Maria Cristina sofreu traumatismo no tórax e fraturou os membros inferiores. Ela também desenvolveu uma infecção.

O corpo da professora foi cremado na tarde desta sexta no Cemitério da Penitência, no Caju, na zona portuária do Rio. A família precisou pedir autorização à Justiça para realizar a cremação por se tratar de uma morte violenta.

Os laudos das perícias realizadas no carro do ex-lateral do Botafogo ainda não foram divulgados. Porém, o delegado Alan Luxardo, titular da 42ª DP (Recreio), afirmou que o veículo estava em alta velocidade no momento do acidente, como afirmaram duas testemunhas no caso.

O lateral Marcinho foi indiciado na quinta-feira (7) por duplo homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Relembre o caso

Na última segunda-feira (4), o delegado Alan Luxardo afirmou que o lateral Marcinho admitiu dirigir o carro que atropelou um casal na avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio, no dia 30 de dezembro.

O jogador disse à polícia que deixou o local sem prestar socorro e abandonou o carro com medo de ser linchado. O veículo foi rebocado para a garagem da casa do pai de Marcinho, onde foi encontrado pela polícia.

O professor universitário Alexandre Silva de Lima morreu na hora. O corpo foi enterrado no último sábado (1º) no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, zona oeste do Rio.

Já a esposa dele, Maria Cristina Soares, morreu na noite da última terça (5) após uma semana internada em um hospital particular na Barra da Tijuca, também na zona oeste. Inicialmente, ela foi socorrida em estado grave ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, e passou por cirurgia.

O delegado Alan Luxardo disse que pretende finalizar o inquérito na próxima semana, após terminar de reunir os laudos técnicos e periciais.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Patrícia Junqueira

Últimas