MC Poze do Rodo é considerado foragido da Justiça do Rio

MP-RJ denunciou funkeiro por associação ao tráfico e mais 4 crimes. Outros dois suspeitos também tiveram a prisão preventiva decretada

MC Poze do Rodo é considerado foragido

MC Poze do Rodo é considerado foragido

Reprodução/Record TV Rio

A Justiça do Rio aceitou a denúncia do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) contra Marlon Brendon Coelho Couto da Silva, o MC Poze do Rodo, pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, incitação ao crime, apologia ao crime e corrupção de menores.

A juíza Daniella Alvarez Prado, da 35ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, decretou a prisão do funkeiro, que já é considerado foragido, segundo a Polícia Civil.

RJ: Prefeitura de Duque de Caxias volta atrás e adia volta às aulas

Outras duas pessoas também foram denunciadas pelo MP-RJ no inquérito que apura a ligação do MC Poze do Rodo com o crime organizado. Segundo decisão do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), o funkeiro estaria fazendo propaganda positiva a maior facção do tráfico de drogas do Rio de Janeiro.

De acordo com a Polícia Civil, o MC Poze do Rodo já foi ouvido anteriormente sobre as acusações de ligação com o tráfico de drogas. Na época, o funkeiro teria dito aos agentes que no passado teve, de fato, envolvimento com o crime organizado.

Na noite da última terça-feira (7), MC Poze do Rodo publicou nas redes sociais um desabafo. “Deixa a favela vencer, brilhar e não tenta destruir isso”, declarou o funkeiro.

Caso seja encontrado ou se entregue nos próximos dias, esta seria a segunda prisão de MC Poze do Rodo em menos de um ano. Em setembro de 2019, o funkeiro foi detido em Sorriso, no Mato Grosso. Ele havia sido detido por corrupção de menores, tráfico de drogas, apologia ao tráfico e incitação ao crime, mas foi liberado quatro dias depois.

Rennan da Penha

Recentemente, o TJ-RJ decretou a prisão de outro funkeiro. Em 2019, Rennan da Penha passou nove meses preso após ser acusado de ser “olheiro”  e apoiar o tráfico de drogas no Complexo da Penha, zona norte do Rio de Janeiro. Ele só foi solto em novembro, após ter um habeas corpus concedido pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira