Metrô da Gávea: Witzel deve apresentar solução em 30 dias

Em reunião com governador do Rio, moradores do bairro e outras entidades defenderam conclusão das obras da Linha 4, paralisadas desde 2015

Witzel recebeu petição contra decisão de aterrar buraco do metrô da Gávea

Witzel recebeu petição contra decisão de aterrar buraco do metrô da Gávea

Divulgação/Governo do Estado

Após se reunir com parlamentares, moradores da Gávea, na zona sul do Rio de Janeiro, e representantes da PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica), o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, sinalizou, nesta segunda-feira (9), que deve apresentar uma solução para o impasse nas obras da linha 4 Metrô em 30 dias.

No encontro, técnicos da PUC se comprometeram a entregar ao secretário de Transportes, Delmo Pinho, na próxima sexta-feira (13), um estudo que propõe alternativas e cálculos de custos para dar continuidade à construção da estação de metrô da Gávea, paralisada desde 2015.

Ainda na reunião, o governador do Rio recebeu um documento com 11 mil assinaturas cobrando a conclusão das obras. O debate entre as entidades ocorreu após Witzel anunciar, na última quinta (5), a intenção de aterrar o buraco onde seria construída a estação de metrô da Gávea por falta de recursos.

O governo do Estado alega que para concluir a obra, que deveria ter sido entregue em 2016, é necessário o investimento de quase R$ 1 bilhão.

Alvo de investigação por desvio de verbas, a Linha 4 do Metrô Rio já custou cerca de R$ 8,5 bilhões. Em valores corrigidos, o trajeto com seis estações, as quais cinco foram entregues, chegou a R$ 13,6 milhões, de acordo com o TCE-RJ (Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro).

A interrupção da obra, ainda segundo o órgão, representa ainda um risco para as construções ao redor, já que uma vistoria técnica mostrou a possibilidade de desabamento da estrututra subterrânea