Rio de Janeiro MP-RJ denuncia três milicianos de Jacarepaguá, zona oeste do Rio 

MP-RJ denuncia três milicianos de Jacarepaguá, zona oeste do Rio 

Ação do Ministério Público acontece depois da prisão do PM chefe do grupo, conhecido como "Bonde do Magrinho"

Ação acontece 1 mês após prisão de líder da milícia

Ação acontece 1 mês após prisão de líder da milícia

Reprodução/Record TV Rio (21/06/2021)

O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou três integrantes de milícia que atua em Jacarepaguá, na zona oeste. Segundo as investigações, o grupo apelidado como "Bonde do Magrinho" é chefiado pelo policial militar Eduardo Maia Rodrigues Silva, um dos denunciados. 

O agente conhecido como "Magrinho" fazia parte do 41º BPM (Irajá) e foi detido no dia 21 do mês passado, quando o comparsa Cristiano Jorge Braga Sanches também foi capturado. 

A Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) apontou que Cristiano fingia ser policial civil, inclusive portando um distintivo falso. A dupla foi presa pela Polícia Civil, depois de cinco dias de denúncia.

A ação foi nomeada como 'Operação Barbárie', devido à violência como que a milícia age. 

De acordo com as investigações iniciadas em 2020, os dois denunciados, além do criminoso Phillip Henrique Leal Bastos, praticaram crimes de extorsão, tortura, adulteração de sinal identificador de carros, estupro e divulgação de cena de estupro.

A organização criminosa atua, sobretudo, extorquindo dinheiro e materiais de comerciantes da Taquara, mas também age na região da Praça Seca e Guaratiba. Na zona norte, a milícia expandia o poder em Rocha Miranda. 

Polícia prende 10 milicianos em megaoperação contra milícia do RJ

Vítimas

A operação da Draco começou após o envio de fotos e vídeos por parte de um denunciante. O trio gravava as vítimas depois da prática da violência, com o objetivo de impor medo aos moradores.

Na apuração dos crimes, algumas delas foram identificadas e, depois da prisão de Cristiano e Eduardo, mais pessoas procuraram a delegacia. Atualmente, Phillip é considerado foragido.

A denúncia oferecida pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado) foi recebida pela 1ª Vara Criminal Especializada da Capital.

Últimas