Músico que arremessou criança por janela teve dois surtos em 24 horas

Em depoimento à polícia, Camila Cerqueira, mãe de Enzo Almeida Pelegrino, declarou que suspeitava de problemas psiquiátricos do companheiro

Enzo, de 3 anos, foi arremessado pela janela pelo padrasto

Enzo, de 3 anos, foi arremessado pela janela pelo padrasto

Reprodução/Record TV Rio

A mãe do bebê de 3 anos arremessado pela janela de um apartamento no quarto andar pelo padrasto prestou depoimento nesta quarta-feira (18) e revelou que o companheiro teve outro surto menos de 24 horas antes do incidente. Ela também revelou à polícia que suspeitou que o músico tivesse problemas psiquiátricos, apesar de não tomar remédios.

De acordo com Camila Cerqueira, mãe de Enzo Almeida Pelegrino, a família estava há menos de um dia no apartamento que pertencia à mãe do músico, no Cachambi, zona norte do Rio de Janeiro. Ela havia deixado a casa da avó da criança porque o companheiro teve um ataque e quebrou objetos na casa de sua mãe.

Camila também afirmou, que momentos antes do músico jogar Enzo pela janela e se matar, o namorado, com quem estava há oito meses, atirou objetos pela janela do apartamento e foi para a rua, onde correu em direção aos carros que passavam pelo local.

Ao ser contido por um homem que passava pela rua, o músico voltou com Camila e Enzo para o apartamento. Ao chegar na residência que ficava no quarto andar, o rapaz arrancou a criança dos braços da mãe e jogou ela pela janela.

Segundo Camila, ainda em depoimento, quando chegou ao térreo do prédio, o músico já havia se atirado.

Em entrevista à Record TV Rio, a delegada da 23ª DP (Méier), Marcia Becker, declarou que Camila reportou momentos de agressividade do companheiro e que havia sugerido que ele fosse buscar tratamento psicológico.

“Ela já havia percebido que ele tinha algum problema psiquiátrico, algum distúrbio, porque ela já tinha presenciado surtos em que ele ficava agressivo, violento, xingava, quebrava as coisas. Ela inclusive relatou que tentou levá-lo ao médico, sugeriu que procurasse um psiquiatra, mas ele recusou qualquer tipo de tratamento.”

Crimes violentos caem 21% no Estado do Rio, aponta instituto

Marcia também disse que o pai biológico da criança tem depoimento marcado para a próxima semana. Entre outras perguntas, será questionado sobre algum caso de violência que a criança tenha sofrido enquanto estava sob cuidados da mãe.

A família de Enzo ainda não divulgou informações sobre o velório do menino de 3 anos.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa