Rio de Janeiro Odor e sabor: presidente da Cedae diz que água pode ser ingerida

Odor e sabor: presidente da Cedae diz que água pode ser ingerida

Companhia realizou uma manutenção na estação Guandu para reduzir concentração de geosmina na água 

  • Rio de Janeiro | Inácio Loyola Do R7*

Apesar moradores da Baixada Fluminense e Região Metropolitana do Rio continuarem recebendo água da Cedae (Companhia Estadual de Águas es Esgotos) com sabor e cheiro alterados, o presidente da companhia Edes Fernandes afirmou, nesta quarta-feira (7), em entrevista ao Balanço Geral RJ, que ela pode ser consumida pela população.

Questionado se ele ingere a água fornecida pela Cedae, Edes respondeu que sim. O presidente da companhia disse ainda que existem índices de alterações de gosto e sabor "aceitáveis".

"Geosmina não é uma substância controlada, não tem limite estabelecido na portaria que define os padrões de potabilidade. Gosto e odor ultrapasamos o limite poucos dias em valores baixos".

A Cedae interrompeu o serviço na estação Guandu, nesta terça-feira (6), para tentar reduzir os fatores que contribuem com a concentração de algas reprodutoras da geosmina, substância que provoca alteração na qualidade da água.

Moradores recebem água com gosto e sabor alterados

Moradores recebem água com gosto e sabor alterados

Reprodução/Record TV Rio

Veja mais: "Geosmina é ponta do iceberg" da crise hídrica no Rio, diz especialista

Os moradores de Campo Grande, zona oeste do Rio, relataram dores no estômago e problemas intestinais devido ao consumo da água fornecida pela companhia. 

“A gente está passando mal com a água”, disse dona Sebastiana, de 95 anos, à Record TV Rio

Alguns bairros da região nem água estão recebendo devido à manutenção da companhia na estação Guandu. O abastecimento só deve voltar ao normal na sexta-feira (9).

Crise hídrica

Desde o ano passado, a população do Rio sofre com a água fornecida pela Cedae. A empresa identificou a presença da substância geosmina, levando água a apresentar gosto e cheiro de terra.

Apesar da investigação do Procon e da multa aplicada pela Agenersa (Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro), o problema voltou a ocorrer em 2021. 

Em janeiro, a Cedae afirmou que identificou novamente traços da geosmina na água, mas em “níveis muito baixos”.

Últimas