Rio de Janeiro Passageira baleada durante corrida em São Gonçalo recebe alta

Passageira baleada durante corrida em São Gonçalo recebe alta

Débora Soares Silva, de 27 anos, foi atingida no pé e encaminhada para Hospital Estadual Alberto Torres; motorista morreu no local

  • Rio de Janeiro | Rafaela Oliveira, do R7*, com Record TV Rio

A passageira baleada durante uma corrida em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, na madrugada do último sábado (6), recebeu alta hospitalar. Débora Soares Silva, de 27 anos, foi encaminhada para o Hospital Alberto Torres no dia do ocorrido, baleada no pé. No crime, o motorista de aplicativo Marcos Eduardo da Silva, de 23 anos, já foi encontrado sem vida.

Marcos morreu durante corrida

Marcos morreu durante corrida

Reprodução/Record TV Rio

De acordo com as informações da testemunha, dois homens anunciaram um assalto e o motorista não parou o veículo. O carro foi atingido com 20 tiros. Segundo a polícia, a hipótese de execução não foi descartada. 

Conforme informado à Record TV Rio, a empresa prestadora do serviço na qual Marcos era parceiro lamenta o ocorrido e cobre todas as viagens com um seguro para acidentes pessoais.

"A empresa permanece à disposição para colaborar com as autoridades no curso de investigações ou processos judiciais, nos termos da lei. Todas as viagens são registradas por GPS. Isso permite que, em caso de necessidade, nossa equipe especializada possa dar suporte, fornecendo informações, como, por exemplo, o trajeto efetivamente realizado", afirmou em nota. 

O corpo do motorista Marcos Eduardo foi enterrado neste domingo, no cemitério São Miguel. 

Para o R7,  o Sindmobi (Sindicato dos Prestadores de Serviço por Aplicativos) lamentou a morte e manifestou pesar aos amigos e familiares da vítima. Segundo a organização, "os motoristas estão na mira dos bandidos". 

O presidente do sindicato, Luiz Corrêa, informou que desenvolveu um aplicativo de apoio ao motorista e uma central 24 horas, mas está aguardando o setor de tecnologia da Polícia Militar, para finalizar a integração. Ele explicou que o app terá a função de acompanhar e acionar as forças de segurança pública em caso de desvio de condições de segurança. 

*Estagiária do R7, sob supervisão PH Rosa

Últimas