Rio de Janeiro PMs sorriram após fuzilar cinco jovens em Costa Barros, diz testemunha

PMs sorriram após fuzilar cinco jovens em Costa Barros, diz testemunha

Depoimento aponta que vítimas pararam carro e conversaram com PMs antes de serem mortos

Os PMs presos: Antônio Carlos Gonçalves Filho, Fábio Oliveira da Silva, Marcio Alves dos Santos e Thiago Viana Barbosa

Os PMs presos: Antônio Carlos Gonçalves Filho, Fábio Oliveira da Silva, Marcio Alves dos Santos e Thiago Viana Barbosa

Reprodução

Os quatro policiais militares acusados de assassinar cinco jovens em Costa Barros, zona norte do Rio, no último domingo (29), sorriram após o fuzilamento, afirmou uma testemunha ouvida pela Polícia Civil nesta quinta-feira (3).

A testemunha afirmou aos investigadores, em depoimento, que conhecia os jovens e que nenhum deles estava armado.

Roberto de Souza Penha, 16 anos, Carlos Eduardo da Silva de Souza, de 16 anos, Wilton Esteves Domingos Junior, 20 anos, Cleiton Correa de Souza, 18 anos, e Wesley Castro Rodrigues, 25, foram mortos na ação policial.

De acordo com a testemunha, Junior, que dirigia o Palio branco em que os jovens estavam, obedeceu a ordem de parada dos PMs. Após encostar o carro, os jovens teriam erguido os braços, sendo que um deles chegou a tirar o corpo para fora da janela com as mãos para cima.

Conversa antes dos tiros

Em seguida, ainda segundo o depoimento, Os PMs conversaram rapidamente com jovens. Só depois desse breve diálogo, os tiros começaram. O alvo inicial dos PMs teria sido Junior, o motorista. Os primeiros disparos teriam sido efetuados de frente para o Palio, atravessando o parabrisa.

Pouco depois, os PMs passaram a atirar contra o veículo, atingindo também os outros ocupantes. Segundo a testemunha, os militares estavam a cerca de três metros do Palio neste momento.

Luva cirúrgica

A testemunha afirmou ainda que, após os tiros cessarem, um dos PMs colocou uma luva cirúrgica, pegou uma arma, colocou na mão de Junior e efetuou um disparo.

Foi nesse momento que, segundo o depoimento, os policiais sorriam.

Inicialmente, os PMs teriam deixado a arma dentro do Palio. Uma pequena aglomeração formou-se, em seguida. Seriam moradores da região que questionavam o que havia ocorrido.

Neste momento, os PMs teriam pegado a arma e colocado ao lado da roda dianteira esquerda.

A testemunha ainda afirmou à Polícia Civil que, em nenhum momento, viu um caminhão de cerveja no local.

Policiais presos

Os PMs Antônio Carlos Gonçalves Filho, Fábio Pizza Oliveira da Silva, Marcio Darcy Alves dos Santos e Thiago Resende Viana Barbosa foram presos sob a acusação de homicídio doloso e fraude processual. Eles alegaram que o Palio dos jovens entrou no meio de um tiroteio.

Manifestantes pedem fim de "massacre" a jovens negros

*Colaborou Alvaro Magalhães, do R7