Rio de Janeiro Polícia prende no Rio principais fornecedores da droga feita com medicamento para cavalo

Polícia prende no Rio principais fornecedores da droga feita com medicamento para cavalo

Dupla usava imóvel na zona sul para produzir entorpecentes; suspeito abriu pet shop para obter o medicamento de forma legal

  • Rio de Janeiro | Do R7, com Vivivan Casanova, da Record Rio

Drogas e aparelhos eletrônicos foram apreendidos

Drogas e aparelhos eletrônicos foram apreendidos

Divulgação/ Polícia Civil

Um casal foi preso, nesta terça-feira (5), em um apartamento em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, por traficar uma droga sintética produzida com analgésico para cavalos. 

O casal é suspeito de fazer parte de uma quadrilha que fazia a distribuição do entorpecente pelos Correios.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu Whatsapp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Além da dupla, outras quatro pessoas foram presas em São Paulo e outras duas, em Brasília. As investigações tiveram início há cerca de um ano na Polícia Civil do Distrito Federal. 

Laboratório em casa

Presa em Copacabana, a dupla é apontada com um dos principais fornecedores da ketamina no país, de acordo com o delegado Rodrigo Coelho.

Segundo a polícia, um dos quartos do imóvel era usado para produzir as drogas sintéticas vendidas em festas — cerca 1g custava entre R$ 70 e R$ 100.

No local, foram apreendidos entorpecentes e aparelhos eletrônicos. O material foi levado para a Delegacia de Repressão a Entorpecentes.

Ex-porteiro abriu pet shop para ter acesso à susbstância para produzir a droga

As investigações revelaram ainda que o homem trabalhava como porteiro em Copacabana, na zona sul do Rio, quando descobriu que havia uma demanda para o consumo desta droga sintética. 

Ele abriu um pet shop em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, para conseguir, de forma legal, o medicamento usado na produção do entorpecente. O local também foi alvo de buscas.  

Ainda de acordo com a polícia, a quadrilha movimentou R$ 7 milhões no último ano — valor rastreado pelos investigadores, mas que pode ser dez vezes maior. 

Últimas