Rio de Janeiro Rio: ao som de violinos, protesto contesta prisão de jovem músico 

Rio: ao som de violinos, protesto contesta prisão de jovem músico 

Manifestação alega inocência de violoncelista preso há três dias sob acusação de assalto. Segundo eles, rapaz estava tocando no momento do crime

  • Rio de Janeiro | Do R7, com informações da Record TV

Luiz Carlos Justino está preso há três dias

Luiz Carlos Justino está preso há três dias

Reprodução/Record TV

Um protesto ao som de violinos ocorreu neste sábado (5) em frente ao Complexo Prisional de Benfica, no Rio de Janeiro. Os manifestantes são parentes e amigos do violoncelista Luiz Carlos da Costa Justino, de 23 anos, preso há três dias sob acusação de ter praticado um assalto. No entanto, amigos e familiares alegam ele foi detido por engano, já que o músico se apresentava na hora exata do assalto pelo qual é acusado.

Leia também: STJ manda soltar ex-subsecretário suspeito de fraudes na Saúde do RJ 

No dia em que foi preso, Luiz tinha acabado de fazer uma apresentação com os colegas da orquestra. Ele estava com um amigo em um bar quando foi abordado por policiais militares. Eles foram revistados e tiveram os nomes pesquisados no sistema. Depois disso, o músico foi levado para a delegacia. “Quando puxou o nossos nomes nas fichas, ele acabou achando um problema somente no nome do Luiz”, conta Jorge Mendonça, amigo do músico.

Músicos protestaram com violinos e pandeiro

Músicos protestaram com violinos e pandeiro

Reprodução/Record TV

Segundo a polícia, contra Luiz havia um mandado de prisão por um assalto que aconteceu em 2017, em Niterói, na região metropolitana. Mas familiares e colegas da orquestra da qual ele faz parte desde os seis anos idade contestam a versão.
“Nós tínhamos um contrato com uma padaria que todo domingo na parte da manhã, a gente fazia um café musical. Ele tava lá com a gente. Como ele pode ter estado em dois lugares e ter feito o assalto?”, questiona o violinista Ricardo Vidal, primo de Luiz.

Veja também: Leblon registra mais uma noite de aglomerações em meio à pandemia

A Policia Civil disse que o inquérito foi concluído, na época, com base em provas e que seguiu para análise do Ministério Público, mas não explicou como o músico foi reconhecido pela vítima do crime.

Luiz tem uma filha de três anos. A esposa conta que a menina já começa a perguntar sobre o pai. “Todo dia ela pergunta e a gente tem que falar que tá trabalhando, tem que falar que vai chegar e a gente não sabe quando vai  mais chegar” desabafa Mariana Soares.

Leia ainda: Jovem é assediada em agência bancária na zona norte do Rio

Desde que a prisão ocorreu, a família nao consegue falar com ele. “A gente não sabe como ele está, se comeu, bebeu, o que ele está vestindo. o que ele está usando. Ninguem sabe de nada. Nada”, lamenta a mãe do jovem, Angélica da Costa. “Só quero ver meu filho, ver meu filho, levar ele pra casa. que ele possa voltar pros amigos dele. fazer o que ele mais gosta: tocar música.”

A defesa entrou com um pedido de habeas corpus para que o músico seja solto.

Últimas