Rio: comunidades recebem oficinas de game e profissões do futuro

Durante cerca de cinco meses, estudantes do Engenho da Rainha, Rocinha e do Pavão-Pavãozinho vão participar de cursos gratuitos

Projeto vai em três favelas e difunde o universo dos games entre os alunos

Projeto vai em três favelas e difunde o universo dos games entre os alunos

Reprodução

No próximo sábado (28), estudantes de escolas públicas da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, começam a participar de oficinas gratuitas sobre games e "profissões 4.0" (profissões do futuro).  O curso, realizado na Biblioteca Parque da Rocinha, tem como intuito ensinar adolescentes a desenvolver o talento na área digital e transformar um hobby em profissão.

O programa deve durar cerca de cinco meses. Além de estudantes da Rocinha,  jovens, de 12 a 18 anos, do Engenho da Rainha e do Pavão-Pavãozinho também serão beneficiados pelo projeto, que se inicia com um torneio intercolegial de jogos para estudantes. 

As oficinas são uma extensão da sala de aula. Por isso, todos que participam precisam estar matriculados em uma unidade da rede municipal de ensino.

De acordo com o diretor da empresa For Games, Victor Prado, “utilizar os jogos de maneira consciente  é um grande passo para a educação brasileira. Muitos dos alunos não são “nem nem” (nem trabalham, nem estudam), eles jogam e consomem como profissionais. Então, o projeto é mostrar que uma brincadeira pode se tornar uma fonte de renda”.

A primeira unidade de ensino a receber um torneio foi a Escola Municipal Eurico Salles, no Engenho da Rainha, zona norte da capital fluminense. Segundo a diretora de uma da escola, Marcia Oliveira, o curso animou todos alunos da instituição e instigou, ainda mais, a tecnologia entre eles. "A maioria são crianças de áreas de riscos sociais, entaõ abrir essas possibilidades é fundamental". 

Profissões 4.0

Youtuber, e-atleta (guia de esporte eletrônico) e desenvolvedor de games são as profissões do futuro, chamadas também de profissões 4.0, de acordo com Victor. O diretor explica também que "essas três carreiras têm fatores curiosos, porque, diferentemente de outras, ficam mais fáceis de produzir a capacidade técnica através da prática dos games" 

São essas profissões que a iniciativa de professores da SME (Secretaria Municipal de Educação) e da For Games, em parceria com o MetrôRio e via Lei de Incentivo à Cultura pela Prefeitura do Rio, tenta difundir entre estudantes de escolas públicas das comunidades cariocas. "O intuito é empoderar esses alunos e alertar que a escola está ao lado da tecnologia" afirma Victor. 

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira