Rio de Janeiro RJ: Justiça cumpre mandado de reintegração de posse na zona norte

RJ: Justiça cumpre mandado de reintegração de posse na zona norte

Ação feita na estrada Maracajás, na Ilha do Governador, tenta reaver terrenos da FAB; moradores alegam que famílias vivem neste local há mais de 100 anos

justiça federal reintegra posse de terreno da fab

Moradores protestam contra possível desocupação de suas casas

Moradores protestam contra possível desocupação de suas casas

Reprodução/RecordTV Rio

A Justiça Federal cumpre nesta terça-feira (13) uma ordem judicial de reintegração de posse de terrenos que seriam da FAB (Força Aérea Brasileira), na estrada Maracajás, na Ilha do Governador, zona norte do Rio de Janeiro. De acordo com moradores, algumas famílias vivem na região há mais de 100 anos.

Em nota, a FAB informou que a ação acontece após decisão judicial favorável à União, que já havia notificado os moradores. O Comando da Aeronáutica, a Polícia Militar e a Guarda Municipal estão no local para auxiliar na operação de reintegração.

Os moradores das regiões da estrada Maracajás e Rádio Sonda reivindicam a manutenção de suas moradias a partir de protestos e audiências públicas na Câmara de Vereadores do Rio. Os residentes destes locais afirmam que a União e a Aeronáutica, além da reintegração de posse, estariam cobrando indenizações.

Em protesto realizado em meados do mês de outubro, uma moradora, em entrevista à RecordTV, expressou sua frustração com a situação. “Muito triste, né? É uma história de vida, todo mundo nasceu aqui, cresceu aqui, estamos na quarta geração. É uma coisa muito triste para a gente”.

Veja também: médicos são indiciados por morte de idosa rejeitada em emergência

De acordo com os moradores, estes terrenos eram de posse da Marinha, em uma época que só era possível acessar a ilha de barco. 

Fábio Silva, também morador da região, lamenta ter que deixar sua casa para a construção de uma unidade hospitalar particular, informação que a FAB não confirma em sua nota à imprensa. “Eu vou sair não por um bem comum, por um bem público, mas por uma especulação imobiliária”, lamentou Fábio.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ingrid Alfaya