Rio de Janeiro RJ: Polícia fecha farmácias usadas para lavagem de dinheiro da milícia

RJ: Polícia fecha farmácias usadas para lavagem de dinheiro da milícia

Segundo investigações, estabelecimentos eram de propriedade de Ecko, suspeito de chefiar grupos paramilitares na zona oeste e na Baixada

  • Rio de Janeiro | Lucas Ferreira, do R7*

Milhares de medicamentos foram apreendidos em ação

Milhares de medicamentos foram apreendidos em ação

Reprodução/Record TV Rio

A Polícia Civil interditou nesta quarta-feira (21), pelo menos, oito farmácias de uma rede suspostamente administrada por milicianos, nas zonas oeste e norte do Rio de Janeiro. De acordo com as investigações, os estabelecimentos eram controlados pela quadrilha de Ecko, foragido da Justiça.

RJ: Ação da PM tem militar ferido e quatro suspeitos mortos em Itaboraí

Os agentes da força-tarefa da Polícia Civil acreditam que as farmácias eram utilizadas para a lavagem de dinheiro da milícia, além de uma nova fonte de renda para a quadrilha. Estabelecimentos em Campo Grande, Cosmos, Paciência, Santa Cruz, Senador Camará e Urucrânia, na zona oeste, e Madureira, na zona norte, foram interditados.

As equipes da Decon (Delegacia do Consumidor) conduziram dez pessoas responsáveis pelas farmácias. Os detidos devem responder por crimes contra a saúde pública, economia popular, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, entre outros.

Segundo o delegado André Neves, agentes de órgãos regulatórios foram ameaçados durante fiscalizações nestas farmácias. Neves ainda afirmou que parte destes estabelecimentos estão em nomes de laranjas que não são responsáveis pelo local.

Troca de tiros deixa três mortos e um ferido na zona norte do Rio

Em nota, a Polícia Civil informou que milhares de medicamentos de uso controlados armazenados de maneira irregular foram apreendidos, entre outras substâncias que ainda serão contabilizadas.

*Estagiário do R7, sob supervisão de PH Rosa

Últimas