RJ: vistoria de deputado termina em confusão em hospital de campanha

Filippe Poubel (PSL) acionou a polícia para fiscalizar unidade antes da inauguração. OS afirmou que arma foi sacada e funcionários agredidos

Vídeo registrou suposta arma

Vídeo registrou suposta arma

Reprodução

Uma vistoria do deputado estadual Filippe Poubel (PSL) terminou em discussão com xingamentos e tumulto momentos antes da inauguração do Hospital de Campanha de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, na tarde desta quarta-feira (27), para tratar de pacientes com covid-19.

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais, Poubel acionou a Polícia Militar após, segundo ele, ter sido impedido de fiscalizar "uma obra mentirosa", já que a abertura da unidade foi adiada três vezes.

Ao cobrar explicações, Poubel tirou a máscara de proteção e discutiu com um homem não foi identificado. O homem disse ao parlamentar que ele poderia entrar na unidade, mas sem estar acompanhado de seguranças armados.

Em nota, a Organização Social Iabas, responsável pela unidade, afirmou que uma arma foi sacada durante a vistoria. Segundo a empresa, dois profissionais ainda foram agredidos. A Iabas declarou que vai registrar um boletim de ocorrência, mas não informou em qual delegacia.

À Record TV Rio, o deputado estadual disse, por telefone, que foi ofendido por funcionários. Na imagem em que um segurança aparece com uma arma, ele afirmou ter sido uma tentativa de "dispersar", mas que ela não foi apontada para ninguém.

O deputado alegou a prerrogativa de função para vistoriar a unidade. Ele ressaltou que as montagens de hospitais de campanha e a aquisição de equipamentos estão no centro das investigações sobre desvio de verbas públicas da Saúde durante a pandemia, inclusive motivando uma ação da Polícia Federal contra o governador Wilson Witzel.

O governo do Estado repudiou a "invasão" do deputado estadual no hospital de campanha e declarou que Poubel afrontou, aos gritos, seguranças e médicos da unidade, que estava em fase final de obras.

A Iabas disse ainda que precisou adiar a liberação do hospital para quinta (28) devido à necessidade de troca de parte do piso após a área ter sido contaminada com piche durante a visita do parlamentar e da equipe dele.