Servidores do RJ recebem mais uma parcela de salário de setembro

Pagamentos atrasados já ultrapassam R$ 3.800 bilhões

Servidores estão passando por graves dificuldades financeiras, diz Muspe
Servidores estão passando por graves dificuldades financeiras, diz Muspe Paulo Carneiro - 29/11/2017 - Agência O Dia

O mês é dezembro, mas para uma parte dos servidores públicos do Estado do Rio, esta quinta-feira (7) é dia de receber o salário atrasado de setembro. O pagamento que deveria ter sido feito até o 10º dia útil de outubro, tem sido realizado em parcelas. A primeira foi paga no dia 17 de novembro e, nesta quinta, mais um depósito deverá ser feito, como informou a Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda). Porém, mesmo com este pagamento, o salário de setembro ainda ficará pendente para mais de 25 mil pessoas.

O anúncio do depósito não trouxe tranquilidade para a aposentada Sandra Hernandes, de 58 anos. Depois de trabalhar por mais de 35 anos como servidora da Secretaria de Fazenda, há quase dois anos ela sofre com os atrasos no pagamento.

— Nenhum alívio. Eu quero tudo que eles me devem. Eu estou apavorada, já olhei a minha conta e até agora nada. Já liguei para o banco e para a associação, mas falaram para aguardar ao longo do dia. Eu estou no desespero — contou a aposentada.

A poucos dias do Natal, os servidores do Rio vivem um cenário de incertezas. De acordo com a Sefaz, no momento, não há previsão de quando os pagamentos de setembro serão quitados.

Exceto os funcionários que fazem parte do calendário prioritário de pagamento – servidores ativos da Educação e do Degase, e ativos, inativos e pensionistas da Segurança Pública – o restante da categoria já acumula dois meses de salários (setembro e outubro) atrasados, além do 13º de 2016 e de 2017. Na próxima semana, também, vence o pagamento de novembro.

A definição imediata de um calendário de pagamento é um dos assuntos que deve pautar a reunião do Muspe (Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais) com o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), na próxima quinta-feira (14). As discussões deste encontro vão determinar os próximos passos do movimento. 

— Não está descartada uma paralisação total dos servidores, incluindo as forças policiais — declarou Ramon Carrera, um dos representantes do Muspe.

Segundo Ramon, ainda nesta semana, o grupo deve decidir se retomará ou não a campanha de cestas básicas.

— O retorno da campanha das cestas básicas é motivo de muita tristeza, por ser necessário fazer uma campanha dessas, mas as pessoas estão começando a passar necessidade mesmo, tem servidor que não tem o que comer — contou.

Para quitar todos os salários atrasados de setembro e outubro, seriam necessários mais de R$ 679 milhões, segundo informações da Sefaz. Se o 13º salário do ano passado e deste ano forem somados à conta, este valor ultrapassaria R$ 3.860 bilhões.

*Sob supervisão de PH Rosa