Sobe para 10 o número de mortos após operação no Alemão (RJ)

A Polícia Militar confirmou que ao menos cinco corpos foram deixados em uma avenida, mas não deu detalhes sobre as circunstâncias das mortes

Em isolamento, moradores se assustaram com intenso tiroteio

Em isolamento, moradores se assustaram com intenso tiroteio

Agência Brasil/Tomaz Silva - 21.05.2015

Em meio ao isolamento social para conter a pandemia do novo coronavírus, moradores da comunidade Nova Brasília, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio, relataram apreensão, nesta sexta-feira (15), devido a um intenso tiroteio em uma operação policial que terminou com ao menos 10 mortes.

Leia mais: Rio: enterros aumentam mais de 50% nos primeiros dias de maio

De acordo com informações da Polícia Militar, após uma ação contra o tráfico de drogas e armas na região, cinco corpos foram deixados na avenida Itaóca. As circunstâncias das mortes não foram esclarecidas. A Divisão de Homicídios investiga o caso.

No início desta manhã, policiais militares do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) em conjunto com a Desarme (Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos) trocaram tiros com criminosos. Durante uma incursão na tentativa de localizar um imóvel usado para esconder armas de grosso calibre, a Polícia Militar disse ter encontrado mais cinco homens feridos.

A corporação informou ainda que os suspeitos foram levados ao Hospital Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiram. Entre eles estava um homem apontado como uma das lideranças do tráfico local. 

À Record TV Rio, o porta-voz da PM, coronel Mauro Fliess, disse que um policial também ficou ferido por estilhaços durante a operação. O militar foi levado para o hospital da corporação, no Estácio, região central, onde está internado com quadro de saúde estável.

As autoridades informaram ter apreendido oito fuzis, drogas e celulares, que serão analisados no inquérito em andamento.

Nas redes sociais, o morador do Complexo do Alemão, Raull Santiago, escreveu que havia informações de "várias casas invadidas pela polícia", além de falta luz em parte da favela.

Em um vídeo compartilhado por outra moradora, é possível ver as consequências da ação policial na comunidade:

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira