Rio de Janeiro Testemunhas acusam PM de disparo que matou homem no Rio

Testemunhas acusam PM de disparo que matou homem no Rio

PM diz que agentes revidaram ataque de criminosos na Cidade de Deus. A versão de que havia confronto é negada por testemunhas

  • Rio de Janeiro | Do R7, com informações da Agência Estado

Testemunhas dizem que o tiro que matou um homem de 38 anos que trafegava de moto pelas imediações da Linha Amarela, via expressa que liga as zonas oeste e norte do Rio de Janeiro, na altura da Cidade de Deus, na manhã desta segunda-feira (4),  foi disparado por policiais militares que faziam patrulha com um veículo blindado.

Protesto pediu paz na Cidade de Deus

Protesto pediu paz na Cidade de Deus

VITOR BRUGGER/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO/ 04.01.2021

A Polícia Militar disse que os policiais foram atacados por criminosos e revidaram. A versão de que havia confronto é negada por testemunhas.

Marcelo Guimarães havia levado o filho para a primeira aula em uma escolinha de futebol. Ele foi baleado na avenida Edgard Werneck e morreu na hora.

Uma mulher, que trabalha em um depósito de ferro velho perto do local, testemunhou o episódio. Segundo ela, havia dois policiais militares parados ao lado de um veículo blindado.

"Eles entraram no caveirão segundos antes de o Marcelo passar de motocicleta. Eu vi o momento em que a arma saiu e o disparo foi feito. Acertou em cheio o peito do Marcelo. Ele acabou sendo atingido, mas a bala poderia ter me acertado se ele não estivesse ali", narrou a mulher à imprensa.

Depois da morte, por volta das 12h, moradores da Cidade de Deus fizeram um protesto e interditaram o trânsito na Linha Amarela, no sentido zona norte, durante alguns minutos.
Em nota, a PM afirmou que policiais do 18º Batalhão (Jacarepaguá) faziam ronda e foram atacados por criminosos. O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital.

Marcelo tinha dois filhos

Marcelo tinha dois filhos

Reprodução

Em nota, a Polícia Civil informou que, segundo depoimento dos policiais militares envolvidos na ação, dois agentes estavam no local com o blindado. Os criminosos dispararam contra o veículo, e um dos PMs efetuou apenas um disparo de dentro do blindado para que o colega de farda pudesse entrar.

“A perícia foi realizada no local do crime, um cartucho foi apreendido e a Polícia Civil vai analisar se o projétil confere com as armas dos PMs”, informou.

Marcelo Guimarães trabalhava em uma marmoraria, era casado e tinha dois filhos - uma jovem de 19 anos, que faz curso de técnica em enfermagem, e um menino de 5. No sábado (2), ele matriculou o filho em uma escolinha de futebol no bairro Gardênia Azul, na zona oeste, e comprou uma chuteira para a criança.

Últimas