Tiro que matou menino João Pedro partiu de fuzil, aponta perícia

Conforme perícia, projétil perfurou a barriga do menino, na altura do estômago, e foi encontrado na parte de trás do ombro

Menino João foi morto durança ação policial

Menino João foi morto durança ação policial

Reprodução

O menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi morto por um tiro de fuzil, do mesmo calibre da arma usada por policiais, e o projétil perfurou a barriga do menino, na altura do estômago, e foi encontrado na parte de trás do ombro. Essas são as informações apontadas pela perícia.

O estudante estava dentro de casa durante uma ação policial em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro. Segundo as investigações, dois suspeitos entraram na casa para fugir dos policiais e houve tiroteio, sendo que um dos tiros acertou o menino.

Leia também: "A polícia matou uma família", diz pai de menino morto em ação no RJ

Os investigadores agora aguardam pelo exame de confronto balístico, que deve apontar de qual arma que saiu o tiro que matou o estudante. Três fuzis e uma pistola que estavam com os policiais envolvidos na ação foram apreendidos e serão analisados.

A investigação policial também espera pelo depoimento do piloto do helicóptero que levou João Pedro da casa onde foi atingido, em São Gonçalo (região metropolitana do Rio de Janeiro), para a capital.

A Defensoria Pública está representando a família do menino no caso, e entrou com um pedido para que as investigações do caso seja conduzidas pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, e não pela Polícia Civil.

A família do menino ainda não foi ouvida pelo delegado da Polícia Civil responsável pelas investigações. Foi aberta uma sindicância administrativa pelas policiais Civil e Federal para apurar a conduta dos agentes que estiveram na ação.