São Paulo Após chuvas, cidades da Baixada Santista decretam calamidade

Após chuvas, cidades da Baixada Santista decretam calamidade

Governador decretou luto de três dias no estado em memória às vítimas de desmoronamentos e inundações. Confirmadas 19 mortes e 29 desaparecidos

  • São Paulo | Do R7

Bombeiros e Defesa civil demarcam pontos para realizar trabalhos de buscas

Bombeiros e Defesa civil demarcam pontos para realizar trabalhos de buscas

Werther Santana / Estadão Conteúdo / 03.03.2020

Prefeituras de pelo menos trê cidades do litoral de São Paulo que foram fortemente atingidas pelas chuvas decretaram estado de calamidade pública e emergência. As adminitrações municipais de São Vicente e Guarujá, no litoral sul, declararam calamidade pública e Santos, estado de emergência.

Leia mais: Morre segundo bombeiro vítima das chuvas na Baixada Santista

Os prejuízos causados pelo temporal fizeram o governador João Doria decretar luto oficial de três dias em todo o estado em memória às vítimas fatais de desmoronamentos e inundações que atingiram a Baixada Santista na terça-feira. 

"Lamentamos muito o efeito das fortes chuvas que se abateram sobre a Baixada Santista e oferecemos solidariedade às famílias que perderam entes queridos e estão em sofrimento nesse momento”, afirmou Doria nesta terça, em entrevista na Prefeitura de Santos. O decreto será publicado na edição desta quarta-feira (4) do Diário Oficial do Estado.

Leia mais: Pelo segundo dia, rodovia Anchieta apresenta bloqueio após chuvas

O governador sobrevoou as regiões afetadas por inundações e deslizamentos e determinou a formação de uma força-tarefa para apoio a desabrigados, desalojados e familiares de vítimas e desaparecidos.

Atingidos pelas chuvas

De acordo com a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, as fortes chuvas deixaram até a manhã desta quarta-feira 19 mortes e 29 desaparecidos, nos municípios de Guarujá (15 mortes e 22 desaparecidos), Santos (3 mortes e 5 desaparecidos) e São Vicente (1 morte e 2 desaparecidos). O número de desabrigados é 155 no Guarujá, 6 em São Vicente e 37 em Santos.

Leia mais: Após chuvas, Santos FC disponibiliza estádio para receber doações

Segundo o órgão, foram disponibilizadas 15,6 toneladas de materiais de ajuda humanitária (colchões, cobertores, cestas básicas, água sanitária e água potável) aos municípios afetados. 

O Coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil, coronel Walter Nyakas Junior, estána região, em reuniões com o Gabinete de Crise, e avalia as necessidades e a atuação das equipes de salvamento.

Dados do Núcleo de Gerenciamento de Emergência da Defesa Civil do Estado indicam que, até as 4h da manhã dessa terça (3), o acumulado nas últimas 12 horas de chuvas no Guarujá foi de 282 mm, em Santos de 218 mm, em Praia Grande 170 mm, São Vicente 169 mm, Mongaguá 160 mm, Cubatão 132 mm e tanto Itanhaém como Bertioga o acumulado foi de 110 mm.

Chuva fraca e moderada

Ao longo da quarta-feira (4), mesmo após o afastamento da frente fria do estado de São Paulo, um sistema de baixa pressão no oceano lançará umidade em direção ao continente que, somada com a umidade da Amazônia, provocará chuva fraca até moderada em pontos isolados da Baixada Santista.

Essa precipitação será em forma de pancadas com momentos mais intensos, que elevarão ainda mais os acumulados de chuva na região. Por conta do solo já estar completamente encharcado, o risco de transtornos continua elevado.

Últimas