São Paulo Candidata à Polícia Civil é presa após ser flagrada com câmera e escuta durante concurso

Candidata à Polícia Civil é presa após ser flagrada com câmera e escuta durante concurso

Mulher realizava a prova da Vunesp, quando a fiscal da sala percebeu algo errado e pediu a ela que passasse no detector de metais

  • São Paulo | Nayara Paiva, da Agência Record

Resumindo a Notícia
  • Uma mulher de 31 anos é suspeita de fraudar prova da Vunesp, no domingo (26).

  • A candidata à Polícia Civil foi flagrada com uma câmera e uma escuta na vestimenta.

  • A suspeita foi encaminhada à delegacia, e um boletim de ocorrência foi aberto.

  • O caso foi registrado como associação criminosa e fraude em certames de interesse público.

Candidata presa é filha de um policial

Candidata presa é filha de um policial

Reprodução/Record

Uma candidata à Polícia Civil foi presa, na manhã do domingo (26), após ser flagrada com uma câmera e uma escuta durante a realização da prova da Fundação Vunesp em uma faculdade na Barra Funda, zona oeste de São Paulo.

A audiência de custódia da suspeita está prevista para esta terça-feira (28).

De acordo com o boletim de ocorrência, a mulher, de 31 anos, usava uma blusa vermelha grossa e, segundo a fiscal da sala, aparentava estar inquieta. A todo momento mexia na vestimenta, além de olhar diversas vezes para todos os lados da sala.

A fiscal achou a atitude suspeita e informou à candidata que precisaria chamar o coordenador, para que a mulher passasse pelo detector de metais. Ao se aproximar do aparelho, o objeto apitou, indicando a presença de item metálico.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

A suspeita insistiu em dizer que não estava com nenhum item proibido e se recusou a tirar a blusa. Posteriormente, o dispositivo eletrônico foi encontrado acoplado à manga do casaco.

A ferramenta era uma webcam com bateria. Havia um buraco na manga onde a câmera ficava e gravava a prova. O receptor do sinal estava acoplado na calça e na roupa íntima da mulher.

A candidata, que é filha de um policial civil, em nenhum momento informou que teria algum comparsa.

Uma viatura da Cerco (Central Especializada de Repressão a Crimes e Ocorrências Diversas) da 3ª Delegacia de Polícia Seccional Oeste estava no estacionamento da faculdade; os policiais foram comunicados da fraude e conduziram a candidata à delegacia.

Os policiais devem emitir um ofício com pedido da lista de chamada assinada, do gabarito, da folha de prova da indiciada e do relatório do fiscal da sala de provas dela, além das imagens do local da prova, para tentar localizar com quem a indiciada chegou ao prédio.

O boletim de ocorrência foi registrado no 91º DP (Ceagesp) como associação criminosa e fraude em certames de interesse público.

Quem era a PM que investigava milícias e foi morta no Rio

Últimas