São Paulo Com voto contrário de coronel Telhada, Câmara de SP aprova reabertura da Comissão da Verdade

Com voto contrário de coronel Telhada, Câmara de SP aprova reabertura da Comissão da Verdade

Projeto de resolução do vereador Gilberto Natalini (PV) foi aprovado por 54 a 1

Com voto contrário de coronel Telhada, Câmara de SP aprova reabertura da Comissão da Verdade

A Câmara dos Vereadores aprovou em sessão desta quarta-feira (6) a reabertura da Comissão da Verdade municipal. O projeto de resolução do vereador Gilberto Natalini (PV) foi aprovado "em um entendimento entre lideranças por 54 a 1".

Paulo Adriano Telhada (PSDB), conhecido como coronel Telhada, ex-comandante da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), votou contra o projeto. Durante a sessão, o coronel disse que a casa pode focar em outros assuntos.

— Ninguém é obrigada a concordar com tudo. Quero dizer que não sou contra, também não tenho nada a temer, mas quero crer que aqui serão ouvidas e respeitadas as duas partes. Quiçá façamos uma comissão da verdade de verdade.

Leia mais notícias de São Paulo

A Comissão da Verdade Municipal foi instaurada e finalizada em 2012. Ao R7, Natalini declarou que o principal objetivo da reabertura da comissão é ajudar o Brasil a recuperar um período da história do povo brasileiro.

— Temos muitas lacunas de conhecimento no regime militar de coisas que aconteceram com pessoas, pessoas que desapareceram, pessoas que foram presas. Queremos também ouvir o outro lado. Vamos convocar militares, empresários e políticos que estavam no comando do regime na época.

Ricardo Young (PV) se manifestou favorável ao projeto. Durante a sessão, destacou a importância de discutir esse tema.

— Não é um espaço de vingança, para ressuscitar culpa, mas sim um espaço de compromisso com a história. É um espaço de resgata do nosso compromisso com a história.

PSDB quer comissão extraordinária de Segurança Pública na Câmara Municipal

“Um dos maiores defensores dos direitos humanos é o policial militar”, diz coronel Telhada sobre comissão 

Também durante a sessão desta tarde, Coronel Camilo (PSD), ex-comandante da Polícia Militar do Estado de São Paulo, declarou que a comissão é um espaço para mostrar que “não tem nada para ser escondido”.

— Deixa criar a comissão da verdade. Sou a favor da continuação disso até para provar que não temos nada a esconder. O polícia é o primeiro protagonista e defensor dos direitos humanos. Vamos trazer mais argumentos, todos os lados.