São Paulo Conta de água sofre reajuste e aumenta 3,4% em São Paulo

Conta de água sofre reajuste e aumenta 3,4% em São Paulo

Medida foi publicada no Diário Oficial, no dia 16 de julho, após 3 meses de acréscimo na data inicial. Famílias de baixa renda pagam tarifa social

Reajuste foi postergado por três meses, desde maio

Reajuste foi postergado por três meses, desde maio

A7 Press- Folha Press

A conta de água está 3,4% mais cara para clientes da Sabesp em todo o estado de São Paulo. A medida que estabelece o reajuste foi publicada no Diário Oficial de São Paulo no dia 16 de julho, prevendo entrada em vigor em 30 dias.

O aumento da tarifa ocorreu após três meses de adiamento na data de reajuste, segundo a Arsesp (Agência Regulatória de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo). Segundo a agência, o valor reajustado leva em conta um aumento anual de 2,4924% com ajuste compensatório de 0,8881%.

Leia também: Estado vai pagar R$ 70 mil à família de advogado morto dentro de fórum

Tarifa social

Os usuários da Sabesp que não têm condições de arcar com o valor da conta de água podem ser beneficiados pela tarifa social. O benefício vale para quem tem renda familiar de até 3 salários mínimos, que habita com a família uma área útil construída de 60 m², tem consumo de energia elétrica de até 170 kWh/mês.

A regra também se aplica a quem está desempregado e recebeu última remuneração de no máximo de 3 salários mínimos - neste caso o período máximo de concessão da tarifa é de 12 meses. O benefício vale ainda para quem mora em habitação coletiva considerada social, como cortiços e unidades verticalizadas.

Em nota, a Sabesp disse que, sobre o reajuste, a companhia esclarece que cumpre o que determina a Arsesp e que o reajuste anual foi postergado, tendo início no mês de agosto. Ainda segundo a Sabesp, em função da pandemia, este ano o reajuste, que seria em maio, foi adiado por três meses para ultrapassar a parte mais difícil da quarentena.

Últimas