São Paulo 'Dilacerado', diz ex de suspeito de matar filhos em incêndio em Poá

'Dilacerado', diz ex de suspeito de matar filhos em incêndio em Poá

Leandro estava separado há três meses de Ricardo, que teve prisão temporária decretada. 'Só quero que ele fale a verdade', desabafou

  • São Paulo | Do R7

Fernanda, de 14 anos, Gabriel, de 9, e Lorenzo, de quase 2 anos, morreram no incêndio

Fernanda, de 14 anos, Gabriel, de 9, e Lorenzo, de quase 2 anos, morreram no incêndio

Reprodução/RecordTV

O ex-companheiro do homem preso sob suspeita de matar os três filhos em um incêndio em Poá, na Grande São Paulo, se definiu como 'dilacerado'. O fogo consumiu a casa, localizada na rua Bernardo Pinheiro Franco, na Vila Real. por volta das 5h desta quarta-feira (17).

Em uma publicação nas redes sociais, Leandro Vieira comenta como se sentiu no enterro de Fernanda, de 14 anos, Gabriel, de 9, e Lorenzo, prestes a completar 2 anos. Os corpos foram sepultados na quinta-feira (17), no Cemitério da Paz de Poá.

"E apenas uma palavra resume este meu sentimento "DILACERADO". Hoje, foi o dia mais terrível da minha vida... eu enterrei meus 3 filhos de uma única vez. Foram 3 caixões e eu não podia ficar ao lado de nenhum", disse Leandro. Ele adotou as três crianças ao longo dos 16 anos de relacionamento que manteve com Ricardo Reis de Faria e Vieira, de quem se separou há três meses. 

Ricardo teve prisão temporária decretada pela Justiça após contar à polícia diferentes versões sobre o crime. Também chamou a atenção o fato de ele não ter tentando arrombar a porta do quarto onde estavam as três crianças. 

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o incêndio atingiu principalmente o quarto onde estavam a adolescente e as duas crianças. O primeiro chamado foi feito por uma mulher que mora na vizinhança, ouviu os pedidos de socorro e viu as chamas. Segundo a vizinha, Fernanda gritava: "Pai, não me deixa morrer aqui".

Um vídeo publicado nas redes sociais pela garota momentos antes do incêndio mostra o irmão e um gato no quarto e a porta fechada, sem a chave. A polícia investiga se a porta estava trancada pelo lado de fora. Há uma série de contradições a serem esclarecidas, especialmente por conta da incoerência do discurso do pai preso.

Procurado pela Record TV, Leandro, o outro pai das crianças disse que não sabe o que pensar e que espera que o ex-companheiro diga a verdade. "Não sei o que pensar sobre o Ricardo, não tive contato com ele, só sei que perdi meus filhos e é dificil pensar que isso possa ter sido calculado. Gostaria que qualquer coisa não apontasse pra ele, mas não sei o que pensar. Só quero que ele fale a verdade", desabafou. "Quero que ele conte a verdade, o que de fato aconteceu, de forma clara. Tudo o que de fato aconteceu."

Últimas