São Paulo Em 1º dia de fiscalização, prefeitura recolhe 557 patinetes em SP

Em 1º dia de fiscalização, prefeitura recolhe 557 patinetes em SP

Segundo a Grow, veículos estavam estacionados segundo regulamentação da prefeitura e um funcionário foi detido de forma arbitrária pela Prefeitura

Prefeitura apreendeu e danificou 400 patinetes sem motivo, diz empresa

Ação da prefeitura apreendeu 557 patinetes

Ação da prefeitura apreendeu 557 patinetes

Alex Silva- Estadão Conteúdo

No primeiro dia de fiscalização da Prefeitura de São Paulo após o decreto que regulamenta o uso de equipamentos de mobilidade individual, 557 patinetes foram recolhidos na cidade.

De acordo com a prefeitura, "as empresas de locação de patinetes não realizaram o credenciamento previsto na legislação e, portanto, operam sem autorização da administração". Este foi o motivo do recolhimento.

Ainda conforme a Prefeitura da São Paulo, as penalidades para as empresas vão do recolhimento dos equipamentos até a multa de R$ 20 mil. As novas regras, segundo a prefeitura, são para "promover a segurança de todos (pedestres, usuários, ciclistas e motoristas) e o uso adequado dos equipamentos".

Por meio de nota, a Grow, responsável pelos patinetes Grin e Yellow, afirmou que a prefeitura apreendeu e danificou ao menos 400 patinetes da empresa de forma ilegal. A empresa considerou a ação um atentado contra "o direito de escolha dos cidadãos de São Paulo".

Veja também: Prefeitura começa a fiscalizar empresas de patinete nesta quarta

A empresa argumentou que os patinetes estavam estacionados segundo as diretrizes da prefeitura, que passaram a valer nesta quarta (29). Segundo a nota, os acessórios estavam estacionados em pontos privados, pontos públicos ou "espaços que não prejudicam a livre circulação dos pedestres". 

A Grow ainda afirmou que o número de veículo apreendidos deve ser maior porque outros caminhões da prefeitura carregados de patinetes ainda não foram contabilizados.

Foi criticada pela companhia a truculência dos agentes da prefeitura na apreensão dos veículos. Além disso, foram citados outros casos de supostas arbitrariedades na nota, que incluíram a detenção de um funcionário da operadora e o confisco de patinetes dentro de um veículo e de um imóvel privado. 

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas