Em protesto contra morte, ônibus são incendiados em Sorocaba (SP)

Por causa da morte de um jovem de 18 anos, desaparecido depois de ser perseguido por GCMs, vândalos também colocaram fogo em caminhões

Ônibus foi incendiado na principal via da cidade

Ônibus foi incendiado na principal via da cidade

Reprodução/ Record TV

Em protesto contra a morte de um jovem de 18 anos, após ser perseguido por guardas municipais, manifestantes incendiaram dois ônibus e dois caminhões do serviço público municipal, entre a tarde e o fim da noite deste domingo (19), em Sorocaba, no interior de São Paulo. Ninguém ficou ferido, mas três suspeitos do vandalismo foram detidos.

Leia mais: Desaparecimento de jovens negros aponta conduta da PM, diz Condepe

Na manhã desta segunda-feira (20), os ônibus que atendiam à região do bairro Parque Vitória Régia, na zona norte da cidade, onde ocorreram os ataques, circulavam com escolta. De acordo com a Polícia Civil, o jovem Guilherme Mateus de Camargo Franco, morador do bairro, teria sido perseguido por guardas municipais e fugiu por uma mata, na sexta-feira (17). O corpo do rapaz foi encontrado na manhã de domingo, nas águas de um lago.

À tarde, um grupo de moradores fez uma barricada com pneus e paus em uma das principais ruas do bairro e ateou fogo ao material. Um ônibus do transporte público que estava parado no ponto final do bairro foi abordado por quatro homens. Eles ordenaram à motorista que descesse, atravessaram o coletivo sobre uma ponte e atearam fogo no veículo.

No mesmo bairro, dois caminhões do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgotos) foram tomados pelos vândalos e incendiados. À noite, um segundo ônibus foi incendiado na avenida principal do bairro.

Leia mais: Caso Cadu: cães acham pistas do paradeiro de jovem em mata

Caminhões também foram queimados

Caminhões também foram queimados

Reprodução/ Record TV

Dois suspeitos foram detidos pela Polícia Militar, e um menor de idade, apreendido. Um deles estava com um galão de gasolina. O serviço de ônibus foi suspenso no bairro até que fossem providenciadas escoltas da PM e da Guarda Municipal para os coletivos. Os ônibus passaram a circular em comboio.

A corregedoria da Guarda Municipal e a Polícia Civil investigam a morte do jovem e os ataques ao patrimônio.