Em SP, 79% da população soube de violência em escolas, diz pesquisa

Pesquisa divulgada pela Apeoesp sobre grau de violência percebida revela que relatos sobre bullying e discriminação cresceram entre alunos e professores

Estudo aponta percepção da violência nas escolas de São Paulo no ano passado

Estudo aponta percepção da violência nas escolas de São Paulo no ano passado

Edu Garcia/R7

Um levantamento realizado pelo Instituto Locomotiva Pesquisa e Estratégia, encomendado pela Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), com estudantes e professores da rede pública estadual de ensino apurou que 79% da população paulista teve conhecimento de algum caso recente de violência em escolas paulistas em 2019 — no âmbito nacional, o índice foi de 77%. Ocorrências de bullying, discriminação e vandalismo foram as mais notadas no ano passado.

Leia também: Escolas registraram 2 notificações de violência sexual por dia em SP

O estudo foi baseado em entrevistas feitas entre os dias 5  de setembro e 1 de outubro de 2019 com 1.000 estudantes acima de 14 anos e 701 professores de São Paulo, em 14 regionais (São Paulo, Guarulhos, Bauru, Marília, Campinas, Sorocaba, Santos, Registro, São José dos Campos, Taubaté, Ribeirão Preto, Araraquara, São José do Rio Preto e Presidente Prudente). No âmbito nacional, foram ouvidas 1.516 pessoas com 18 anos ou mais em 13 regiões metropolitanas (468 pessoas em São Paulo).

De acordo com a pesquisa, 81% dos alunos e 90% dos docentes souberam de episódios de violência em suas escolas estaduais no ano passado, índices acima da percepção verificada em relação a 2017 (80% e 85% entre estudantes e professores, respectivamente) e 2014 (77% e 84%), outros períodos apurados.

Reprodução/Apeoesp

Ainda segundo os dados aferidos, 37% dos estudantes e 54% dos professores da rede estadual ouvidos pelos pesquisadores disseram já ter sofrido pessoalmente algum tipo de violência em suas escolas, números em grande parte superiores em comparação aos anos anteriores (39% e 51%, em 2017 / 28% e 44%, em 2014).

O bullying foi o tipo de violência mais sofrida pelos alunos no último ano letivo (22%), enquanto as agressões verbais foi o principal abuso relatado pelos educadores (48%). Também houve denúncias de agressões físicas, furtos e roubos dentro das dependências escolares no Estado de São Paulo.

Ações do governo

A grande maioria dos entrevistados na pesquisa sobre grau de violência percebida afirma que o governo estadual deveria dar mais condições de segurança às escolas: 95% da população, 98% dos estudantes e 99% dos professores. Entre os brasileiros, 93% acreditam que é obrigação da gestão paulista oferecer mais segurança às unidades públicas de ensino.