São Paulo Engenheiros descartam implosão de prédio incendiado por risco de danos aos imóveis vizinhos

Engenheiros descartam implosão de prédio incendiado por risco de danos aos imóveis vizinhos

Edifício de dez andares, no centro de SP, teve a estrutura comprometida pelas chamas, que começaram no domingo (10)

Agência Estado
Engenheiros descartam implosão de prédio incendiado por risco de danos aos imóveis vizinhos

Engenheiros descartam implosão de prédio incendiado por risco de danos aos imóveis vizinhos

Edu Garcia/R7 - 11.07.2022

Após ser consumido por um incêndio de cerca de três dias, o prédio de dez andares do centro da capital paulista deverá ser demolido, decidiu nesta quarta-feira (13) uma equipe técnica da prefeitura. O edifício, porém, ainda corre risco de desabamento e, por ficar no meio de um dos principais centros comerciais da cidade, a região da rua 25 de Março, o procedimento se torna mais complexo.

Por se tratar de uma região movimentada e com predomínio de construções antigas, engenheiros ouvidos pelo Estadão explicam que os cuidados devem ser redobrados neste momento. Eles descartam, por exemplo, o método da implosão, que pode danificar a estrutura de edifícios vizinhos. Ao mesmo tempo, explicam que demolições mais cuidadosas podem levar à interdição do entorno do edifício por um período de até três meses.

Coordenador-adjunto da Câmara Especializada de Engenharia Civil do Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo), Roberto Racanicchi afirma que há uma probabilidade considerável de que grande parte da estrutura do edifício — que compreende vigas, pilares e lajes — tenha sido afetada, uma vez que todos os andares do prédio pegaram fogo por bastante tempo. Segundo o Corpo de Bombeiros, o incêndio começou no último domingo (10) e as chamas foram controladas apenas nesta quarta.

“Pode ter ocorrido qualquer tipo de ruptura, e essas rupturas ainda podem levar ao tombamento do edifício”, diz o engenheiro, reforçando que a deterioração da estrutura pode piorar enquanto o prédio vai sendo resfriado. Embora não houvesse mais chamas, os bombeiros explicaram que a temperatura seguia atípica em alguns pontos internos do edifício durante a tarde desta quarta: estava em torno de 200°C.

De acordo com Racanicchi, a resistência do concreto armado, que consiste na combinação entre concreto e aço, usado na fundação do prédio, cai consideravelmente quando o material é exposto a altas temperaturas. Se a estrutura atinge pontos irreversíveis, é preciso maior cuidado, inclusive nos procedimentos tomados após o incêndio.

Por se tratar de um prédio de estrutura antiga, provavelmente construído entre os anos 50 e 60, o coordenador do Crea-SP acrescenta que os riscos de desabamento acabam sendo ainda maiores. “É igual ao caso do prédio do largo do Paiçandu [que desabou em 2018]; a probabilidade de colapso era muito grande”, diz ele. “Tem de se evitar que aconteça um novo colapso neste momento.”

Nesse cenário, ele reforça que uma série de variáveis devem ser observadas para planejar o processo de demolição. “É uma região que tem prédios dos dois lados, tem um viário — que é a parte que compreende a rua e as calçadas — muito estreito, tem uma alta densidade de edificações. Ou seja, uma implosão não daria certo, o impacto na vizinhança seria muito grande”, diz ele, destacando que o procedimento poderia gerar rachaduras e comprometer edifícios vizinhos.

“Há ainda um fator predominante: trata-se de um prédio no centro histórico de São Paulo, e a maioria das construções que estão ali são antigas, feitas sob as condições de outras normas”, relembra Racanicchi. “Uma implosão pode afetar o Mercadão, a Igreja de São Bento, afetar todo o entorno.”

Como o prédio foi consumido pelo fogo e a estrutura aparenta estar comprometida, o coordenador do Crea-SP diz que também não é possível fazer a demolição por dentro, método em que trabalhadores entram para demolir a edificação com marretas e outras ferramentas.

“Olhando o espaço que há na rua, a solução que vejo seria pegar um guindaste, que ficaria longe e protegido, e usar uma tesoura mecânica, que vai tirando parte por parte”, explica. “É um serviço caro, moroso e delicado de fazer. Tem de tirar peça por peça, sempre observando o que está no entorno”, continua Racanicchi.

Diretor do Instituto de Engenharia de São Paulo, o engenheiro Rafael Timerman também entende que métodos como a implosão devem ser descartados. "Fazer uma implosão a distância, sem entrar e verificar como estão os elementos estruturais do prédio, pode comprometer e causar um desvio da implosão propriamente dita, inclusive comprometendo os prédios ao lado."

Ainda assim, o engenheiro enxerga que a opção tomada pela equipe técnica da prefeitura de demolir o edifício foi correta. "Sessenta horas de exposição ao fogo, para qualquer tipo de estrutura, já é um estado de degradação crítico, beirando o colapso da estrutura", diz ele. "Por esse motivo, entendo que a decisão [de demolir o prédio] é assertiva."

Análise da parte estrutural

Professor-doutor da Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo), Valdir Pignatta e Silva explica que em geral a decisão pela demolição emergencial de um prédio é tomada com base na análise da parte estrutural, que sustenta uma edificação. “E os pilares são os mais importantes no caso das estruturas em geral”, afirma.

Segundo ele, os incêndios mais fortes, ou cujo material usado na estrutura fica exposto ao fogo por tempo considerável, podem comprometer por completo um edifício. No Brasil, essas estruturas normalmente são feitas de concreto.

Para analisar em que estado estão, costumam ser tomados dois caminhos: a coleta de amostra de um pilar, por exemplo, para análise em laboratório — a conclusão pode levar dias — e a análise visual da estrutura, uma medida mais emergencial. Esse segundo caminho, aponta o professor, parece ter sido tomado para inspecionar o edifício nas proximidades da rua 25 de Março.

“Pode ocorrer, o que é uma hipótese, de um concreto ser delaminado, descascado pelo fogo a tal ponto de as armaduras que estão dentro do concreto aparecerem. Aí é praticamente certo que é preciso tomar uma atitude como a demolição”, explica Pignatta. “Parece-me que eles [a prefeitura] não fizeram nenhum tipo de coleta por enquanto, mas visualmente ficaram com receio de a estrutura não suportar mais o fogo e cair. É um problema de visualização e receio”, completa.

Uma vez que a decisão foi tomada, a prefeitura afirmou que a demolição agora depende de uma análise judicial, uma vez que se trata de um imóvel privado. Os prazos ainda não estão definidos. “Pedimos agilidade na liberação da documentação, como os laudos da Defesa Civil, e vamos entrar na Justiça. A responsabilidade é do proprietário, mas depende de uma resolução judicial. Estamos tentando obter essa liberação quanto antes”, disse o prefeito Ricardo Nunes (MDB) nesta quarta.

Professor de direito administrativo da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), Márcio Cammarosano explica que em geral a demolição de prédios privados não depende necessariamente de decisão judicial, embora ela seja um caminho possível. "Os proprietários podem concordar com a necessidade da demolição. E, se tecnicamente for imprescindível para evitar catástrofe iminente, mesmo decisões judiciais são rápidas.”

O professor reforça ainda que há uma terceira alternativa. “No caso de perigo iminente de catástrofe, nem sequer há necessidade de propositura judicial. Basta levantamento técnico insuspeito, da prefeitura, do Corpo de Bombeiros e/ou de outras entidades de capacidade reconhecida”, diz Cammarosano. Um campo um tanto mais nebuloso, explica, diz respeito a possíveis ressarcimentos dos envolvidos, o que dependeria de análises de seguros e se há culpa dos proprietários do imóvel, entre outros aspectos.

Últimas