Estado de SP tem R$ 43 bilhões em obras paralisadas ou atrasadas

Levantamento do TCE (Tribunal de Contas do Estado) recebeu dados de 442 cidades de São Paulo, que juntas abrigam 1.542 obras atrasadas

Municípios paulistas enviaram dados sobre o tema até o dia 30 de setembro

Municípios paulistas enviaram dados sobre o tema até o dia 30 de setembro

Yuri Alexandre/Futura Press/Estadão Conteúdo/05.01.2016

O Estado de São Paulo tem 1.542 obras atrasadas ou paralisadas, com o valor total de seus contratos maiores do que R$ 43 bilhões, segundo levantamento do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado), que coletou dados reunidos até o dia 30 de setembro. 

Leia mais: Plano de metas de Doria exclui promessas de campanha

O relatório, divulgado nesta terça-feira (15), coletou dados de 442 municípios paulistas. De acordo com o TCE, dos 1.542 empreendimentos catalogados, 780 estão com a entrega atrasada, e os outros 762 estão paralisados. Nestes três meses,147 obras foram retomadas e outras 349 obras foram adicionadas. 

Em relação ao levantamento anterior, que coletou informações do segundo trimestre de 2019, 157 obras foram concluídas. Destas, 83% (1.281) são de responsabilidade dos municípios, enquanto outras 261 obras são geridas pelo Estado.

Ainda de acordo com o TCE, a principal fonte de recursos para as estas construções depende de ajustes formalizados com a União (642 obras), seguida por convênios firmados com o governo estadual (481 obras). Um total de 373 empreendimentos (24,2%) é decorrente de recursos próprios dos contratantes e 46 construções estão sendo edificadas por meio de contratos de financiamento.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Vinhas