Família de bolivianos foi morta no período do Natal, diz delegado

Casal e filho, de oito anos, foram encontrados esquartejados em malas, em Itaquaquecetuba. Motivação do crime pode ter sido causada por negócios

Família de bolivianos foi encontrada morta em Itaquaquecetuba (SP)

Família de bolivianos foi encontrada morta em Itaquaquecetuba (SP)

Reprodução/Facebook

Os três bolivianos encontrados mortos esquartejados na terça-feira (8), em Itaquaquecetuba, na região metropolitana de São Paulo, haviam sido executados no período do Natal. De acordo com o delegado Eliardo Amoroso Jordão, responsável pelo caso, essa é uma das linhas de investigação do caso.  “Os três teriam sido mortos nesse período, e em seguida, o suspeito alugou uma casa para colocar os corpos lá”, disse ao R7.

Irma Morante Sanizo, de 38 anos, e Jesus Reynaldo Condori Roque, de 39, estavam desaparecidos desde o dia 23 de dezembro. No entanto, o filho deles, Gian Abner Morante Condori, de oito, teria sido visto pela última vez no dia seguinte, em 24 de dezembro.

Segundo a investigação, a criança foi vista pela última vez com o primo deles, que também é boliviano. Ele teria aparecido bêbado com o menino em sua casa, na Penha, zona leste da capital paulista, e dito que levaria a criança de volta para a casa dos pais.

Na casa das vítimas, ele teria pego todos os pertences da família e levado para Itaquaquecetuba, dizendo que eles iam se mudar para lá. O primo também chamou dois amigos para ajudar na mudança. Um dos amigos, de nome Miguel, teria supostamente auxiliado o suspeito a carregar sacolas e pertences das vítimas para a casa em Itaquaquecetuba. Outro colega, de nome Roberto, também teria ajudado. Este, por sua vez, disse durante a realização do boletim de ocorrência que o suspeito lhe pediu um empréstimo, aproximadamente há duas semanas, no valor de de R$ 3 mil.

No final da tarde de terça-feira (8), policiais atenderam uma ocorrência via COPOM para averiguação de residência com produtos roubados. No local, na rua Serra Formosa, no Jardim Paineira, foram encontradas três malas. Em cada uma delas estava um dos corpos esquartejados da família boliviana.

O delegado trabalha, neste momento, com a hipótese de que eles haviam sido mortos no período do Natal e, só depois, foram levados para esta casa. Durante as diligências, a polícia encontrou um celular de uma das vítimas na casa de um dos amigos do primo.
A motivação, também segundo o delegado, teria sido informada por uma das testemunhas. “Disse que havia sido por causa dos negócios”, comentou. O principal suspeito do crime era sócio das vítimas, em uma loja na Penha.

Pessoas ligadas a família, policiais militares, o proprietário da casa alugada em Itaquaquecetuba, a esposa do principal suspeito e outras duas testemunhas estão sendo ouvidas. O caso segue em investigação pelo 1° DP do município.