São Paulo Homem branco continuou ofensas a entregador na delegacia

Homem branco continuou ofensas a entregador na delegacia

Segundo B.O., contador filmado ofendendo motoboy com insultos racistas precisou ser levado para outra sala na delegacia depois de ter se exaltado

  • São Paulo | Elizabeth Matravolgyi, da Agência Record

Homem ofendeu motoboy com insultos racistas

Homem ofendeu motoboy com insultos racistas

Reprodução

Mesmo após ter sido levado para a delegacia da Polícia Civil, o contador Mateus Abreu Almeida Prado Couto, de 31 anos, seguiu ofendendo o motoboy Matheus Pires Barbosa, de 19, conforme consta no boletim de ocorrência registado no DP de Valinhos (interior de São Paulo), no dia 31 de julho.

"Apresentados no plantão policial, o autor Mateus Couto novamente exaltou-se e reafirmou as palavras ofensivas contra a vítima, sendo necessário separá-lo para outro ambiente (sala)", consta no boletim de ocorrência.

O caso dos dois ficou conhecido após um vídeo repercutir nas redes sociais. Nas imagens, o contador humilha Barbosa, que havia ido ao condomínio fazer uma entrega de comida. Entre os insultos direcionados ao motoboy, Couto diz que ele tem "inveja disso aqui" e aponta a pele branca.

Segundo o boletim de ocorrência, Barbosa relatou à polícia que Couto é conhecido entre os entregadores, pois ele costuma fazer os motoboys caminharem até o interior do condomínio para realizar a entrega na porta de sua casa, enquanto os demais clientes esperam os entregadores na portaria do condomínio.

Leia também: Motoboy humilhado deve entrar com processo contra homem branco

Barbosa disse que em tom de brincadeira falou para Couto que ele não era bem visto entre os motoboys. A partir daí o agressor começou a xingar a vítima utilizando as palavras "preto", "favelado", "pobre" e "olha o seu tênis furado".

Em imagens gravadas por um morador do local, Couto ainda fala que Barbosa não tem onde viver e que ele tem inveja da casa do agressor. Couto ainda mostra seu braço fazendo menção a sua cor branca e diz "você tem inveja disso aqui".

Ainda segundo o boletim de ocorrência, Couto fez ameaças a Barbosa dizendo que conhecia policiais e que sua família seria do meio militar. Couto disse ainda que o entregador "se daria mal".

Os moradores se aproximaram de Barbosa com medo de Couto agredi-lo fisicamente.

Durante o registro da ocorrência, Couto alegou que disse apenas as palavras "favelado", "pobre" e "marginal" e negou que fez qualquer tipo de ofensa relacionada à cor de Barbosa. Couto alegou ainda que Barbosa teria tentado avançar contra ele e outros moradores, fato que não se confirmar de acordo com as imagens divulgadas pelas redes sociais.

O pai de Couto esteve na delegacia e disse que o filho faz um tratamento de saúde mental relacionado a esquizofrenia.

O caso foi registrado como injúria racial na Delegacia de Valinhos.

Últimas