São Paulo Justiça de SP arquiva processo contra motoboy agredido por PM

Justiça de SP arquiva processo contra motoboy agredido por PM

Pedido do Ministério Público foi acatado por juíza, que entendeu que entregador não praticou crime que justificasse a prisão ou a agressão

  • São Paulo | Elizabeth Matravolgyi, da Agência Record

O Tribunal de Justiça de São Paulo arquivou inquérito contra o motoboy André Mezzete, de 29 anos, que foi agredido a coronhadas pelo policial militar à paisana, Felipe da Silva Joaquim, depois do rapaz ficar preso preventivamente por quatro dias, sob a acusação de tentativa de assalto.

Leia mais: 'Ele chegou acusando', diz motoboy solto após agressão de PM em SP

A juíza Tania da Silva Amorim Fiuzza acatou ao pedido do Ministério Público de São Paulo e entendeu que o motoboy não praticou nenhum crime que justificasse sua prisão e a agressão por parte do policial militar.

Policial foi gravado ameaçando motoboy após suposta tentativa de assalto

Policial foi gravado ameaçando motoboy após suposta tentativa de assalto

Reprodução/Redes sociais

André ficou preso preventivamente no CDP (Centro de Detenção Provisória) Belém II por quatro dias e teve sua liberdade concedida na última terça-feira (1º). O policial militar Felipe da Silva Joaquim, de 30 anos, foi afastado do policiamento operacional. A PM também apura o caso.

Leia mais: Mortes causadas por PMs de São Paulo batem recorde; negos são principais vítimas

Na versão do PM, ele teria sido vítima de uma tentativa de assalto, e por isso reagiu com violência. Parentes e amigos do entregador questionaram a conduta do policial e dizem que houve abuso na abordagem.

Flagrante

Em imagens gravadas por uma moradora do local, o entregador aparece no chão enquanto o policial segura e aponta uma arma na direção dele. Em determinado momento, o agente pega o homem pela gola da camiseta e o arrasta até o muro de uma casa.

Em um outro trecho do vídeo, o André questiona a atitude do policial. Um homem de camiseta azul tenta intervir e o PM manda ele sair de perto. Pouco tempo depois, uma viatura da Polícia Militar chega e André é preso.

O entregador foi encaminhado para uma unidade de saúde com ferimentos na cabeça e só recebeu alta na manhã do dia seguinte, depois que o boletim de ocorrência havia sido registrado como tentativa de assalto.

Boletim de ocorrência

O advogado dele questionou a ação do policial e a forma como o boletim foi registrado. Segundo ele, no depoimento do PM consta que o policial viu André "em uma atitude suspeita" e voltou para abordá-lo quando o entregador fez "menção de sacar uma arma de fogo". Caruso também afirma que o homem de camisa azul nas imagens chegou a ir à delegacia mas saiu sem prestar depoimento.

Perfil

André trabalha como entregador em uma pizzaria da zona norte da capital e dá aulas de jiu-jitsu para crianças. O entregador tem antecedente criminal por receptação de carro em 2013. Porém, de acordo com o advogado, ele comprou o veículo sem saber que se tratava de um carro roubado.

Últimas