São Paulo "Maníaco do Jabaquara": preso já foi alvo de ação contra pedofilia

"Maníaco do Jabaquara": preso já foi alvo de ação contra pedofilia

Suspeito foi detido na semana passada após assediar jovem no Terminal Santo Amaro, na zona sul de SP. Jovem avisou a mãe, que chamou a polícia

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

O homem de 47 anos preso na semana passada suspeito de assediar e estuprar mulheres no bairro do Jabaquara, na zona sul de São Paulo, já foi alvo de um mandado de busca e apreensão de conteúdo de pedofilia. A informação é da Record TV.

Leia também: Homem é preso suspeito de incendiar motel e matar amante

Conhecido como "maníaco do Jabaquara", ele foi flagrado em pelo menos dois ataques, no mesmo local , em um período de apenas sete minutos. Segundo as vítimas, o agressor pedia informações para atraí-las.

O suspeito foi capturado pela Polícia Civil após abordar uma jovem de 18 anos no Terminal Santo Amaro, também na zona sul de São Paulo, no dia 18 de agosto.

Câmeras de monitoramento flagraram a ação do maníaco

Câmeras de monitoramento flagraram a ação do maníaco

Reprodução/Record TV

"Foi um trabalho rápido e eficaz. Logo que tiveram notícia do fato criminoso, eles conseguiram identificar o coletivo em que a vítima estava e fazer a abordagem”, conta o delegado Fábio Baena, do GOE (Grupo de Operações Especiais). 

A vítima contou à polícia que ao chegar no terminal de Santo Amaro percebeu que era seguida por um homem. No ônibus, ele fazia gestos obscenos e lançava olhares constrangedores. A jovem ligou para mãe e contou o que estava acontecendo. A mulher acionou a polícia, que foi muito rápida. Os policiais foram até o terminal, identificaram o coletivo e pararam o ônibus. Os passageiros foram obrigados a desembarcar. Em seguida, a vítima mostrou quem era o suspeito e ele foi preso em flagrante.

Veja também: 'Tinha medo de manchar o carro', diz mulher que perdeu o bebê em SP

Com o suspeito foram encontrados três comprimidos contra impotência sexual. Em uma rápida pesquisa sobre antecedentes criminais, foi  descoberto que antonio já tinha sido alvo de uma busca e apreensão. “Ele veio conduzido pra cá e uma pesquisa rápida. Na residência dele já havia busca de apreensão de pedofilia”, conta Baena.

O suspeito nega que tenha assediado a vítima. 

Imagems de câmeras de monitoramento mostram como o suspeito agia nas ruas movimentadas. Em uma primeira gravação, ele desce do carro, corre atrás da vítima e quase é atropelado. Ele aborda a mulher de forma que não chama a atenção de pessoas próximas. O suspeito caminha ao lado da vítima. Em uma outra câmera, ela é filmada limpando o casaco que, momentos antes, estava na cintura.

Em um segundo flagrante, o homem ataca uma mulher que passeia com o cachorro. Ele vai embora segundos depois deixando a vítima aos berros.

Vítimas

Tudo indica que muitas mulheres estejam traumatizadas e com medo após a ação desse homem. A jovem de 18 anos que denunciou o suspeito e provocou sua prisão, chegou a assistir a reportagem da Record TV e o reconheceu. Foi assim que mais uma vítima foi revelada.

"Essa vítima disse que o rapaz que estava passando na TV era o mesmo que tinha importunado ela no coletivo. Nós fizemos uma busca e descobrimos um estupro no dia 17 de julho. Hoje chamamos a mulher aqui e ela reconheceu ele com certeza”, diz o delegado.

Leia também: Justiça condena acusado de matar universitária ao trocar pneu em SP

A mulher, de 30 anos, contou em depoimento que estava perto do metrô de São Judas. Disse que o suspeito se aproximou em um carro preto e perguntou se ela sabia o nome da rua. Neste momento, ele mostrava um punhal. A vítima foi obrigada a entrar no veículo. Eles rodaram pela região. Em determinado momento, o agressor estacionou o carro e cometeu o estuprou.

Ele filmou tudo com o celular e no final ainda exigiu que ela usasse o álcool em gel para higienizar as mãos e os objetos pessoais. Ele fez o mesmo, até nas partes íntimas. Ela foi deixada no mesmo metrô da abordagem. Mas antes o estuprador lhe roubou R$ 500. A polícia agora quer localizar outras mulheres que tenham sido atacadas da mesma forma. A orientação a quem reconhecer o suspeito é que procure a polícia. 

Últimas