São Paulo Metrô de SP quer ganhar dinheiro com venda de energia renovável

Metrô de SP quer ganhar dinheiro com venda de energia renovável

Para cortar gasto com energia, 2º maior da empresa, serão avaliadas propostas de geração limpa a linhas e estações. Excedente será vendido

Empresas devem ceder 60W ao Metrô, enquanto o excedente será vendido

Empresas devem ceder 60W ao Metrô, enquanto o excedente será vendido

Marcelo Machado/Futura Press/Estadão Conteúdo - 01.06.2020

O Metrô de São Paulo quer reduzir os gastos com energia, o segundo maior da empresa, e pretende implantar um sistema de geração de energia limpa e renovável para alimentar linhas e estações. A empresa pretende, ainda, vender o excedente no mercado de energia.

Leia mais: CPI em SP: Twitter e Facebook não têm regras para excluir 'fake news'

Serão avaliados projetos de 14 empresas, que já foram autorizadas pela companhia a desenvolver estudos e apresentar suas propostas. O prazo para conclusão dos projetos é de 120 dias.

O projeto deve contemplar a produção de pelo menos 120 MW (Megawatts) por mês. Destes, 60 MW serão fornecidos para o Metrô usar nas estações das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata. O excedente poderá ser vendido no mercado de energia, possibilitando novas receitas ao Metrô e à empresa selecionada para o projeto.

O Metrô também poderá disponibilizar cerca de 200 mil m² de área das coberturas das estações e pátios de manutenção, para receber células fotovoltaicas - que convertem a radiação solar em energia elétrica. Porém, os estudos poderão propor outras áreas na cidade de São Paulo, que sejam propriedade do Metrô, para ajudar na produção de energia.

As empresas , com soluções para a geração e fornecimento desse tipo de energia. O Metrô diz que vai escolher a empresa vencedora considerando resultados econômicos, impactos socioambientais e as técnicas de elaboração.

Últimas